…e o governo caíu

moção de rejeiçãoA direita que frequenta os écrans das televisões andou a semana inteira a discutir as enormes divisões no seio do PS e a antecipar dissidências na votação da moção de rejeição  ao governo da coligação PSD-CDS. Enganou-se. O PS e todos os deputados à sua esquerda  aprovaram sem quebras a rejeição. Até o deputado do PAN se juntou à esquerda. E o governo caíu.

Demitido que está o governo, a direita do comentário televisivo empenhou-se em menorizar os acordos assinados pelo PS com PCP, Bloco e PEV. “É pouco”, gritam uns; “é nada”, gritam outros. O Presidente tem que “impôr coisas”; “não há garantias”… enfim, cada um tem o seu modelo de acordo, tentando minar a discussão e influenciar Cavaco  a manter Passos até ver.

Ora, em 2011 quando o  PSD e o CDS se juntaram numa coligação pós-eleitoral e formaram um governo de maioria absoluta, estável, duradouro, coerente, ninguém previa que a dita estabilidade se veria ameaçada por diversas vezes: quando Vítor Gaspar se demitiu e deixou uma carta demolidora sobre o seu próprio governo. Quando Portas fez birra e se demitiu “irrevogavelmente”; quando o aumento da  TSU provocou a maior manifestação de todos os tempos em Portugal; quando numa noite não muito longínqua, Passos quis demitir-se por causa do Tribunal Constitucionl e Cavaco o segurou; quando, noutro momento, Cavaco tentou pôr ordem na bagunça do governo e quis forçar um acordo da coligação com o PS de Seguro prometendo a este, em troca desse acordo, eleições antecipadas que o PS acabou por recusar…. Alguém então exigiu a Passos e a Portas o que quer que fosse? Alguém esperava que a coligação tremesse tantas vezes tendo maioria absoluta?

É  esta direita e os seus apoiantes que agora querem um acordo da A a Z entre o PS e os partidos à sua esquerda, com juras e promessas de amor eterno. Os quatro partidos acordaram prioridades para 4 anos de governo, com honestidade e rigor sem que para isso tenham que mudar de convicções e renegar princípios que sempre defenderam.

Significativo foi também o facto de as televisões terem passado como cão por vinha vindimada pela importante declaração de Mário Centeno nas perguntas a Maria Luís Albuquerque. Centeno arrasou o programa do governo em meia dúzia de palavras: “Tem poucos números e os que tem não estão certos”, e garantiu ser “falso” que o PS não tenha demonstrado disponibilidade para saber mais das propostas do PSD e do CDS, assegurando que foram estes partidos que não responderam às mais de 50 questões colocadas pelos socialistas. Nem Passos nem Maria Luís lhe responderam.

A direita não aceita ser arredada do poder. perdeu o discurso, foi confrangedor assistir à pobreza de argumentos no debate parlamentar em que foi  “despedida por justa causa”, como bem disse Mário Centeno. Prometeu represálias e revanchismo. O que fará?

 

 

Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Governo, Política, Sociedade com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a …e o governo caíu

  1. Edgar diz:

    Apoiado!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s