E ninguém se indigna?

Silva CarvalhoJorge Silva Carvalho, o ex-director das secretas que violou os registos de chamadas de telemóvel do jornalista Nuno Simas e foi acusado de  crimes de violação do segredo de Estado, corrupção e abuso de poder, proferiu hoje no tribunal onde está a ser julgado declarações que não podem ser ignoradas pela gravidade de que se revestem quanto aos procedimentos usados pelos serviços secretos portugueses.

Silva Carvalho, citado pelo jornal Público, afirmou que “noventa por cento do modus operandi dos serviços de informações é ilegal”, acrescentando que o segredo de Estado serve para proteger as operações ilegais das secretas, que não hesitam em “vigiar, fotografar e filmar pessoas” que não são alvo de investigação criminal. Disse também que os serviços secretos têm “fontes de informação em todas as operadoras de telecomunicações desde sempre”.

Sobre a notícia de Nuno Simas que deu origem ao processo, Silva Carvalho confirmou que “esmiuçaram o máximo possível” os contactos feitos pelo jornalista nos dias que antecederam a saída dessa notícia, e também nos dias seguintes porque era preciso “extirpar o cancro” e “encontrar o traidor”.

A crer na notícia do Público, Silva Carvalho afirmou que sabe “como é que os serviços de informações podem usar os jornalistas e controlar órgãos de comunicação social”.

As declarações de Silva Carvalho causam profunda inquietação. Porque não só as ilegalidades nunca foram denunciadas pelos jornalistas que acompanham as questões de segurança interna, como eles próprios são, pelos vistos, vítimas de violação da privacidade e instrumentalizados pelas secretas para controle dos meios de comunicação social.

Ficou-se também a saber que cidadãos que não são alvo de investigação criminal são vigiados, fotografados e filmados.

Estas declarações, proferidas em tribunal por um ex-alto dirigente dos serviços de informações da República, não podem passar sem uma investigação profunda ao funcionamento das secretas portuguesas, apurando a sua veracidade e responsabilizando os dirigentes e funcionários que as praticam.Tudo isto é demasiado grave para ser ignorado.

(artigo publicado no jornal TORNADO)

 

Esta entrada foi publicada em Jornalismo, Sociedade com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a E ninguém se indigna?

  1. Pingback: Justiça e secretas: quem fala e quem não devia falar | VAI E VEM

  2. Pingback: Exactissimamente | Aspirina B

  3. carlosalvares diz:

    Sócrates foi para a prisão em Évora por presunção, palpite, dos meticulosos juízes Rosário Teixeira e Carlos Alexandre. Acreditavam que tivesse cometido vários delitos. Prenderam-no, porque precisavam de tempo para conseguir provas que confirmassem as suspeitas e, consequentemente, justificassem a sua detenção. Acontece porém, que passado um ano, ainda não houve julgamento e o ex-ministro, por imperativo legal que, segundo consta, não agradou aos responsáveis pelo seu processo, já está em liberdade,

    Jorge Silva Carvalho, ex-chefe das secretas, com delitos confirmados foi para prisão domiciliária e já está a ser julgado. Por ironia, pode-se dizer que o mal de J.Sócrates é não ter cometido nada de que o acusam. Se o tivesse feito,não teria ido para Évora e já tinha sido julgado

    Carlos Patrício Álvares.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s