O sapo do Presidente

costa_cavaco_belem_pr_drO Presidente Cavaco vai ter de engolir um grande sapo quando nomear António Costa primeiro-ministro. É que a partir dessa altura aqueles que chamaram “golpista” a António Costa e dizem que o seu governo é ilegítimo terão de meter a viola no saco porque cabe ao Presidente nomear o primeiro-ministro, conferindo-lhe assim a legitimidade constitucional de que precisa para formar governo e apresentá-lo à Assembleia da República.

É isto que dói ao Presidente, não é só o facto de ele não gostar de Costa nem do PS e muito menos daqueles que apoiam o seu futuro governo. Dói-lhe muito ser ele a conferir legitimidade a Costa como primeiro-ministro.

Passos e Portas podem continuar a dizer que o governo de Costa é ilegítimo mas então estarão a acusar o Presidente de ter nomeado um primeiro-ministro “ilegítimo”.

O Presidente andou a empatar a nomeação de Costa porque precisava de pôr na boca de mais gente aquilo que ele queria exigir a Costa. Chamou os amigos e estes disseram-lhe palavras que ele queria ouvir e repetiram à saída dos encontros para jornalistas ouvirem. Foi para isso que foram lá chamados.

Passos e Portas (este de papel na mão, escrito com antecedência) fizeram discursos à saída e deram o mote sobre o que o Presidente havia de exigir a Costa. Percebemos isso quando hoje lemos a nota da Presidência da República com as exigências que Cavaco entregou a Costa e este levava na mão quando saíu de Belém.

Costa não perdeu tempo e já respondeu. Não sabemos se agora Cavaco vai recomeçar a ronda das audições para pedir pareceres sobre as respostas de Costa. Talvez vá aos Açores ver se as vacas ainda sorriem como quando lá foi da última vez.

Esta entrada foi publicada em Governo, Política, Presidente da República com as etiquetas . ligação permanente.

6 respostas a O sapo do Presidente

  1. Pingback: Cavaco Silva, o mal-amado | VAI E VEM

  2. Pingback: Cavaco Silva, o mal-amado - Jornal Tornado

  3. José Contreiras diz:

    Era previsível que Cavaco Silva tivesse este triste e desastroso fim como Presidente.
    Toda a sua vida foi de um oportunismo espantoso. Enquanto os estudantes universitários lutavam corajosamente para o derrube do anterior regime e por uma Democracia ele,comodamente e espertamente,foi para Inglaterra para tirar o seu Curso Universitário e ao regressar a Portugal trazer um “canudo” que lhe permitisse viver cómodamente. Mas para isso teve que assinar 2 documentos: um que jurava não ser “Comunista”,documento que aliás era
    obrigatório para se poder ser funcionário Público. Mas como ele queria ocupar um lugar importante no Banco de Portugal teve que assinar um documento e receber um cartão com a categoria de “informador da Pide(cópia desse documento correu nas Redes Sociais e possívelmente ainda estará na Biblioteca arquivo da Torre do Tombo).
    Assinou-o porque desejava esse lugar e não teve a coragem da grande maioria dos estudantes e democratas portugueses que nunca o assinariam preferindo a luta democrática que se travava em Todo o País,principalmente nos meios académicos e pelos trabalhadores em todo o País e até nos meios militares,criando condições para o espantoso êxito que foi o 25 de Abril.
    Estabelecida a Democracia foi o maior responsável pelo desastre a que o País chegou,porque foi quem mais tempo esteve no Poder e quem recebeu mais Fundos da CE.
    Em não ter tomado as medidas adequadas para que os gatunos do BPN(seus amigos) fossem julgados e condenados pela JUSTIÇA,por terem feito a maior BURLA JAMAIS COMETIDA EM PORTUGAL..
    A sua obsessiva decisão em não empossar o Governo que tinha a maioria parlamentar e indigitar os anteriores,sabendo que seriam impedidos de Governar no Parlamento e caíriam logo na sua primeira sessão,como aconteceu.
    O tempo e as obsessivas deligências que fez para que a Coligação de Esquerda não podesse tomar posse,foram vergonhosas,inúteis e prejudicaram muito o País pelo atraso e teimosia
    em não cumprir,como manda a Constituição da República Portuguesa.
    Sai sem prestígio político e teve que “engolir um grande Sapo” do tamanho de um elefante.

  4. António Nunes diz:

    Um dia feliz.
    Contra tudo e contra todos e ainda bem, porque, se me permitem, atravessou-se o Rubicão. Já era tempo.

  5. Manuel Pacheco diz:

    Vai haver desmaio.

  6. carlosalvares diz:

    Pelas conversas que tiveram com o “NUNCA ME ENGANO” já se previa que as exigências iriam coincidir com as dos do PaF. Não podia ser de outro modo. Na visita aos Açores, gastara quase todos os neurónios a apreciar o sorriso das vacas e a poda das anonas. Normalmente, embora com esforço, consegue ter ideias mas, desta vez, estava esgotado. Com isso os do Portugal ao Fundo (PaF) é que ganharam. Chaubet

    – Outros Destaques – TECNOLOGIA – CIÊNCIA – OPINIÃO – MULTIMÉDIA – MAIS

    – Artigos seguintes – Artigos anteriores

    – Bélgica captura suspeito dos atentados de Paris e mantém alerta máximo – Eagles of Death Metal: os terroristas entraram no camarim e mataram todos menos um – Costa sai de Belém em silêncio – Houve festejos em Nova Jérsia depois dos atentados do 11 de Setembro? – O “golpe” da direita e um PR tão só. Sócrates avisa: A minha voz está de volta – A crise do Benfica é exagerada e dá pelo nome de Jorge Jesus – Candidatos a Belém apoiam Costa, só Neto admite eleições antecipadas – Serão as ruas desertas de Bruxelas uma imagem da Europa do futuro? – Um passo inédito a esticar a corda, que Costa pode resolver facilmente – Há um Portugal novo que está a nascer – BE sublinha “recuo” de Cavaco, Jerónimo acusa-o de tentar “subverter a Constituição”

    TÓPICOS Cavaco regressa à Graciosa e troca impressões sobre sorriso das vacas e poda das anonas 1

    2 VISITA AOS AÇORESCavaco regressa à Graciosa e troca impressões sobre sorriso das vacas e poda das anonas

    LUSA

    21/09/2011 – 14:29

    “Ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando para o pasto”, disse Cavaco DANIEL ROCHA

    – – – – 2 – –

    TÓPICOS

    1. Cavaco Silva 2. Banco de Portugal 3. Saúde

    Vinte anos depois, o Presidente da República voltou hoje à vila de Santa Cruz da Graciosa, num passeio onde se falou da poda de anonas, de vacas e dos tempos de Cavaco Silva no Banco de Portugal.

    “Tinha a recordação precisamente deste largo, um largo impressionante”, disse Cavaco Silva, no Largo Vasco da Gama, no caminho entre o edifício da Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa e a Igreja Matriz, recordando a última vez que tinha estado nesta ilha do grupo central do arquipélago dos Açores, quando era primeiro-ministro.

    Já à saída da Igreja Matriz, a conversa passou para a meteorologia, com o Presidente da República a comentar a forma repentina como o tempo muda ao longo do dia.

    “Ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando para o pasto que começava a ficar verdejante”, contou Cavaco Silva.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s