A comunicação, ferramenta essencial à condução do governo

Costa em BruxelasApesar do “vira-casaquismo” mediático a que temos assistido nos últimos dias, sobretudo após a posse do governo, António Costa deve estar ciente de que terá contra si e contra o seu governo muitos dos spin doctors que povoam as páginas de jornais e os écrans das televisões.

Costa venceu a fúria da imprensa económica, que viveu nos últimos quatro anos em concubinato com o governo anterior, o empresariado e os representantes da finança. E como os spin doctors se espreitam e vigiam uns aos outros essa fúria contagiou comentadores e editorialistas de outros meios, alguns contrariando mesmo a aura de sensatez e independência que lhes conferia merecido crédito.

Muitos estão a mudar o chip mas ainda vão ficar prisioneiros do preconceito e da ignorância que ostentaram em textos inflamados em que discutiam conceitos como “legitimidade”, “constitucionalidade”, “golpismo”, “radicalismo” e outros tantos, sem saberem, afinal, do que falavam. Verdade se diga que não estavam (e ainda não estão) sós. Tiveram (e ainda têm) a companhia de políticos supostamente experientes e informados, entre os quais os líderes da coligação que nos governava, e entre estes, Paulo Portas, que ainda continua a falar do governo de António Costa como “ilegítimo”.

Tendo de viver com uma imprensa militantemente vigilante (como não foi até agora) à espreita de contradições, disfunções, desacertos e quezílias entre o governo e os partidos que o apoiam, António Costa não pode descurar a vertente comunicacional do governo. O poder da palavra é muito forte nas democracias mediáticas em que vivemos. Porém, é preciso saber usá-lo, evitando, por exemplo, o sistemático “falar-entre-portas” (expressão usada por Mário Soares quando interpelado à entrada e à saída dos locais onde se deslocava). Filho e irmão de jornalistas, António Costa sabe que os jornalistas precisam de notícias e que os políticos precisam de ser notícia. Gerir o equilíbrio entre as duas partes não é fácil, mas é imperioso.

Tão importante como o uso criterioso da sua palavra é a contenção que o primeiro-ministro deve exigir aos seus ministros, alguns dos quais mostraram apetência pelo microfone e pela câmara de televisão. Os jornalistas e os comentadores procurarão em cada palavra e em cada frase menos pensadas sinais que explorarão negativamente contra o governo e os seus parceiros. Não há volta a dar, a lógica dos media procura o dissenso, a discórdia, a contradição. Como diz o povo, não é defeito, é feitio.

Tão importante como coordenar políticas com os parceiros é coordenar a comunicação interna no seio do governo . A comunicação é hoje uma importante ferramenta na gestão de uma empresa e, por maioria de razão, na condução do governo. António Costa não pode descurá-la.

(artigo publicado hoje no Acção Socialista Digital)

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Imprensa, Jornalismo, Política, Sociologia dos Média com as etiquetas , . ligação permanente.

Uma resposta a A comunicação, ferramenta essencial à condução do governo

  1. ?????..CIDADÃOS PORTUGUESES?-Ilegitamente Governantes?-Mentirosos Legalizados?-QUEM RESPONDE?????.-Como foi ganha a antiga Legislatura?-Cumpriram com o seu programa eleitoral?-O que venderam foi legal e a bem do País?.Não será tempo de o P.S.D.,fazer um congresso e entregar o Partido a Sociais Democratas de Portugal?-Responda quem souber.?????????-Vivemos num País só de interrogações???????….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s