A vírgula de Paulo Portas

Portas vírgulaHoje, na Assembleia da República, Paulo Portas e Temo Correia pareciam dois rufiões. Faltou-lhes o fair play e puxou-lhes o pé para o chinelo. As referências de Telmo Correia ao governo  como “um projecto radical social-comunista” e à “tralha socrática” e de Portas ao “Senhor primeiro-ministro, vírgula, primeiro ministro não escolhido pelo povo” foram a expressão de uma raiva mal contida e de um despeito que lhes bloqueia o discernimento.

Passos Coelho embora sempre de rosto fechado e mais comedido nas palavras não esteve melhor. É por demais evidente que não digeriu ainda a perda do lugar de primeiro-ministro. Incapaz de reconhecer que o seu governo foi rejeitado pelo Parlamento nunca se dirigiu a António Costa como “primeiro-minstro”, chamando-lhe sempre e apenas  “Chefe do governo”.  Outro deputado também do PSD, normalmente comedido e cordato, Duarte Pacheco, encontrou no ministro das Finanças o seu alvo: Mário Centeno, “o ilusionista”, e Mário Centeno, o “fazedor de números”, foram alguns dos epítetos que usou para o interpelar.

Mas não foi apenas na forma, que a coligação PSD-CDS revelou um comportamento autista. Também na substância os argumentos além de incoerentes eram gastos. A tese da “ilegitimidade” do governo de António Costa já não convence ninguém e ameaça voltar-se contra a coligação. Todos já compreenderam que Passos e Portas queriam governar a qualquer preço, eles sim, agarrados ao poder, não tendo sido capazes de granjear os apoios parlamentares de que necessitavam para governar. Dir-se-ia que se julgavam acima da Constituição e que lhes bastava que o Presidente da República os escolhesse. Esqueceram-se (ou ignoravam) que lhes faltava a segunda legitimação e essa só a podiam conseguir no Parlamento. Por isso, quando Costa lhes perguntou qual era a alternativa de governo que tinham para apresentar se a moção de rejeição que apresentaram fosse aprovada, não tiveram resposta. Sabe-se lá porquê consideravam que o PS era obrigado a dar-lhes apoio.

Passados estes dias, ouvidos os discursos do governo, dos partidos que o apoiam e dos partidos da direita compreende-se melhor como foi acertada a recusa de António Costa de servir de bengala a um novo governo de Passos e Portas. Só a ideia de ouvi-los novamente do alto da sua auto-satisfação imporem a austeridade e a pobreza como destino fatal dos portugueses, causa arrepios. Iluminados pela sua  imensa sabedoria acham que só eles têm o direito de governar o País.

Sem deixar de responder à letra à “vírgula” de Portas  – “apesar das palavras crispadas hoje proferidas por alguns deputados, vírgula,  ainda ressabiados“- o novo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, com fama e proveito de gostar de “malhar na direita” chamou esta à razão,  convidando PSD e CDS  a aceitarem as regras do jogo democrático e dizendo-lhes que  “o tempo não está para radicalizações, mas sim para compromissos [e que] todos somos indispensáveis“.

 

 

 

 

Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Governo, Política com as etiquetas , , , . ligação permanente.

4 respostas a A vírgula de Paulo Portas

  1. Tony diz:

    És um grande parvalhão

  2. É um grande Homem do norte ! O prof. Santos Silva!

  3. cristof9 diz:

    O ressabiamento afecta os neurónios, duma forma extrema.

  4. llopes49 diz:

    Não sou belicista,mas a boa e velha Justiça de Fafe,vinha a calhar ,para os Piquenos da drtª. serem mais comedidos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s