As presidenciais e as alternativas socialistas

O PS tem quatro militantes como candidatos às eleições presidenciais, entre os quais uma ex-presidente do partido, Maria de Belém (que também foi deputada), e um ex-deputado, Henrique Neto. Nenhum deles recebeu o apoio oficial do partido, apresentando-se ambos como independentes. Maria de Belém conta, porém, com o apoio explícito de actuais e antigos dirigentes do partido, enquanto Henrique Neto, o primeiro a anunciar a candidatura, se posicionou no passado frequentes vezes contra o partido em particular contra José Sócrates e o então governo socialista.

Sampaio da NóvoaNa área socialista cabe também outro candidato, Sampaio da Nóvoa, esse sim independente de ligações partidárias mas apoiado formalmente pelos dois anteriores presidentes da república socialistas, Mário Soares e Jorge Sampaio, para além de actuais e anteriores dirigentes do partido.

Temos, assim, que aos militantes socialistas não faltam alternativas de escolha, tanto mais que o secretário-geral, António Costa, não deu qualquer indicação de voto, mantendo o partido afastado de um apoio oficial a qualquer dos candidatos.

DEbate Belém NetoOra, quem esteja a acompanhar os debates que estão a decorrer, certamente já constatou como foi acertada a decisão de não vincular o PS à candidatura de qualquer dos seus militantes. O debate que colocou frente-a-frente Maria de Belém e Henrique Neto foi, a esse título, elucidativo. Nesse debate, assistiu-se, com perplexidade àquilo a que vulgarmente se chama “luta de galos” entre dois socialistas. De um lado, um Henrique Neto que se auto-define como um candidato “fora do sistema”, um “visionário” capaz de prever os acontecimentos, qualidade que exibe, baseado num livro que escreveu, como a sua mais-valia para ser presidente da república. A marginalidade a que se votou como candidato anti-sistema leva-o a uma inusitada agressividade verbal contra os candidatos da sua área, Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa.

Quanto a Maria de Belém, falta-lhe convicção, segurança e carisma, qualidades que não se aprendem. Apesar da experiência que invoca e indiscutivelmente detém, nos cargos que exerceu não deixou marca que se imponha.

Resta Sampaio da Nóvoa, o candidato mais autêntico destas eleições, aquele que para além de ter sido capaz de reunir à sua volta figuras de prestígio nacional, tem sabido mostrar como a sua cultura, a sua visão do país e a sua experiência na direcção de uma universidade, na gestão de projectos e na coordenação de pessoas, podem ser úteis num presidente da república.

Revela-se assim sábia a decisão de António Costa de deixar aos socialistas o caminho livre para a escolha de alguém como Sampaio da Nóvoa.

(artigo publicado hoje no Acção Socialista Digital)

Esta entrada foi publicada em Presidenciais, Televisão com as etiquetas , , . ligação permanente.

2 respostas a As presidenciais e as alternativas socialistas

  1. Obrigada, sim de facto, o candidato desfiliou-se do PS em 2011.

  2. Carlos Vaz Marques diz:

    O PS tem três e não quatro candidatos na corrida presidencial.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s