Presidenciais: Marcelo, as palavras e as imagens

Os candidatos presidenciais e os seus estrategas deviam ter presentes alguns dos princípios que caracterizam a televisão que é o meio por excelência de informação dos cidadãos eleitores sobre a campanha eleitoral.  Marcelo Rebelo de Sousa tentou, sem êxito, pôr em prática alguns desses princípios nos debates eleitorais. Porém, nesta fase da campanha, estão a dar resultado.

Um desses princípios é o da personalização das campanhas que tem o efeito de não proporcionar o esclarecimento dos poderes do Presidente, dos processos de decisão política que lhe são inerentes e da adequação do perfil dos candidatos para a função.

Outro, é o de que em televisão, as palavras são  facilmente esquecidas, mas as imagens perduram na nossa mente.

Outro, é o de que a informação televisiva  é um universo onde os discursos se acumulam, se anulam e se apagam. Como consequência, a velocidade da informação televisiva dificulta a inteligibilidade e desencoraja a procura de sentido.

Outro, ainda, é o de que a televisão é um meio que apela à emoção, ao afecto e à sedução. Visa a criação de intimidade e proximidade entre o candidato e o eleitor.

Vejam-se estas imagens do primeiro dia de campanha de Marcelo Rebelo de Sousa em que o candidato surge nos três canais generalistas em ambientes  familiares e informais, falando de coisas triviais. Na RTP1 e na SIC  a legenda introduz uma “nota política” que, contudo, o ambiente familiar que rodeia o candidato contraria.

Marcelo prova um bolo que lhe é oferecidoMarcelo e o boloMarcelo e o Nody

 

 

Marcelo escolhe gravatas

Marcelo brinca com o boneco Noddy                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     Marcelo escolhe uma gravata

 

Em cada uma destas imagens, Marcelo é a mensagem que fica na mente do tetespectador. O que quer que tenha dito, seja ou não inscrito no écran, dificilmente anulará o sentido afectivo e de proximidade que as imagens comportam.

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, imagens, Política, Presidenciais, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s