O spin-doctoring da Comissão Europeia

Comissário EuropeuO que se passou nestes dois dias sobre o orçamento de Estado para 2016 vem nos livros de comunicação estratégica, no capítulo spin-doctoring. Também é possível encontrar a matéria  nos manuais de jornalismo, neste caso, no capítulo dedicado à relação com as fontes. Vejamos então:

Como os entendidos no funcionamento das instituições europeias sabem, a Comissão não pode, nesta fase, relativamente ao nosso país, reprovar formalmente o orçamento de Estado de 2016 nem sequer obrigar Portugal a apresentar uma nova proposta, como começou por ser noticiado. Desde logo, porque não há ainda um orçamento mas apenas um draft e é sobre este que a Comissão deve dar parecer. Mas nem por isso a Comissão deixa de ter poder e de o usar com as melhores técnicas de spin, tal como fazem os estrategas de comunicação. Foi isso que a Comissão fez e está a fazer com o draft do orçamento de Estado que o governo português lhe enviou.

A Comissão começou por fazer constar de maneira informal (off the record) que o orçamento português lhe merecia críticas e desconfiança, e que podia ser chumbado. Como era suposto, a notícia fez o seu caminho: os jornalistas imediatamente lhe deram o maior destaque com títulos alarmistas, anunciando o chumbo do orçamento.

Perante o crescendo de informação negativa, o governo decidiu revelar a carta da Comissão, ao mesmo tempo que o primeiro-ministro desdramatizava a situação considerando naturais as dúvidas e as perguntas da Comissão.

Conseguida a primeira (má) impressão sobre o orçamento, desde logo com as agências de rating a carregarem “as tintas”, veio então a Comissão, desta vez dando a cara e a voz, confirmar as palavras do primeiro-ministro, esclarecendo que o que existe é uma troca de informação e esclarecimento de dúvidas, desdramatizando em on o que antes dramatizara em off.

Mas não ficou por aqui o trabalho de spin da Comissão: mantendo a pressão sobre o governo português e sem qualquer preocupação sobre os efeitos da sua estratégia de (des)informação, a Comissão promoveu uma fuga de informação de um documento no qual confronta os seus números com os do draft do orçamento do governo português. Os jornalistas embandeiraram em arco com os novos dados, as televisões chamaram os seus comentadores para os telejornais, enquanto o PSD e o CDS cavalgavam a onda apoiando tudo o que viesse de Bruxelas. O discurso jornalístico e o discurso da oposição política seguiram, aqui também religiosamente, o discurso da Comissão. Do lado dos jornalistas de economia ninguém ousou, fosse por convicção ou por seguidismo, questionar o discurso da Comissão e muito menos a pressão exercida sobre o governo português e sobre eles próprios, através de métodos eticamente questionáveis.

Ora, os jornalistas sabem como as coisas se passam e não desconhecem que o comportamento da Comissão constitui uma pressão sobre o governo, colocando-o debaixo de fogo para  o obrigar a ceder às suas pretensões.  Por seu turno, a Comissão sabe que pode confiar nos jornalistas que cobrem os seus trabalhos e que eles não denunciarão as suas manobras porque se “alimentam” muito mais do que se passa nos bastidores da própria Comissão do que nos discursos oficiais dos seus porta-vozes.

(artigo originalmente publicado no jornal electrónico TORNADO)

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Economia, Governo, Jornalismo, Política com as etiquetas , , . ligação permanente.

3 respostas a O spin-doctoring da Comissão Europeia

  1. cristof9 diz:

    Tenho por bitola o que aconteceu antes do governo do socrates decretar estado de insolvencia e chamada a troika- tambem quase todos os “bons” tudologos negavam a gravidade da situação. Os sacrificios seguintes e cortes foram uma causa ou uma consequencia das “mentiras “ditas antes de 2011. Na Grecia os liricos de lá, com a aprovação dos nossos de cá, tambem foi necessário chegar ao fecho dos bancos, para os tudologos se calarem de dizer mentiras e se clarem que a culpa era da Merkl. Faz confusão como quem deve o dinheiro tem a lata de dizer que quem emprestou é que é o culpado; no entanto perante uma larga percentagem do eleitorado grego e portugues essa falsidade é uma “evidencia”, um facto real(será um pato real?)

  2. jose neves diz:

    “Por seu turno, a Comissão sabe que pode confiar nos jornalistas que cobrem os seus trabalhos e que eles não denunciarão as suas manobras porque se “alimentam” muito mais do que se passa nos bastidores da própria Comissão do que nos discursos oficiais dos seus porta-vozes.”

    Portanto, lá, como por cá, o jornalismo está corrompido e os jornalistas são corruptos.
    Mas pior e perigoso, são corruptos a favor do exterior contra o seu próprio país.

  3. Porque esses “jornalistas” alinham com a Direita Fascista, isso é notório.
    Porque em Portugal a Esquerda não resolve este problema.
    E se não resolve este problema vai acabar por lhe morrer nas mãos.
    Lamentável.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s