Revistas “cor-de-rosa”

revistas cor de rosaA jornalista Alexandra Lucas Coelho, escreve no Público deste domingo um artigo intitulado “Guimarães-Carrilho: a perda da justiça”, no qual critica a juíza Joana Ferrer pelos comentários que dirigiu a Bárbara Guimarães no decorrer do julgamento de Manual Maria Carrilho acusado de violência doméstica. A autora critica também a publicação das declarações do filho de ambos, de 12 anos,proferidas no âmbito do processo de regulação do poder paternal e que foram parar a “revistas cor de rosa”. A dado passo do seu artigo, Alexandra Lucas Coelho escreve:

“Sei do que a juíza Joana Ferrer disse pelas reportagens de Andreia Sanches e Teresa Campos, isso é jornalismo, e a diferença que o jornalismo faz numa democracia. As “revistas cor-de-rosa” não fazem parte do jornalismo, não se regem pelas mesmas regras, e era bom que isso ficasse claro. Quem lhes abre a porta terá de ter consciência que a ética ali não é a jornalística. Mas abrir-lhes a porta não antecipa, muito menos justifica, crimes desta natureza. Publicar as declarações à justiça de uma criança de 12 anos é outra fasquia, crime com certeza, e não apenas de desobediência. E, para contrariar “revistas” capazes disto, sugiro o boicote pela não-colaboração. Incluindo ler.”

Alexandra Lucas Coelho tem razão na crítica que faz à publicação das declarações do filho de Bárbara Guimarães e de Manuel Maria Carrilho. Aliás, a Comarca de Lisboa refere que a divulgação das declarações da criança constitui crime. Porém, não é correcta a afirmação da autora do artigo de que as  “revistas cor-de-rosa” não fazem parte do jornalismo e não se regem pelas mesmas regras”.

À luz da  lei de imprensa (artigo 13.º) as chamadas “revistas cor-de-rosa” são publicações informativas (jornalísticas) dotadas de estatutos editoriais onde se definem as suas linhas orientadoras (veja-se, por exemplo o estatuto editorial da revista Nova Gente, uma das revistas que publicou as declarações do filho de Bárbara e de Carrilho). As “revistas cor-de-rosa” são dirigias por um/a jornalista, ou equiparado/a, e os seus jornalistas possuem carteira profissional, estando sujeitos ao estatuto do jornalista e ao código deontológico da profissão.

A circunstância de essas revistas terem como “negócio” a vida privada e social das figuras públicas – da política, das artes ou do espectáculo, incluindo as chamadas “vedetas” do jornalismo (especialmente da televisão) – não as coloca à margem das regras éticas e deontológicas do jornalismo. Porém, a tolerância da Comissão da Carteira Profissional dos Jornalistas e a ausência de uma instância de auto-regulação aceite pela “classe”, tem deixado que práticas ética e deontológicamente condenáveis, como as que atingiram o filho de Bárbara e de Carrilho, se repitam sem qualquer consequência e perante a indiferença dos próprios jornalistas em geral.

Acresce que tais práticas não são hoje apenas apanágio das revistas “cor-de-rosa”. Alguns jornais e televisões criaram também “secções” de “fofocas” onde reina a invasão da intimidade de figuras públicas que, em muitos casos, contribuem para esse “negócio”.

Em rigor, muito do que se publica nesses meios de comunicação social não é jornalismo, é um jornalismo com aspas). Mas esse “jornalismo” é feito e dirigido por jornalistas encartados. Bem ou mal (mais mal que bem) esse é um dado adquirido!

(artigo publicado originalmente no jornal TORNADO)

Esta entrada foi publicada em Imprensa, Jornalismo, Justiça. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s