Jornalismo e Justiça na cobertura da corrupção política

media-corrupcao-politica-e-justicaJornalismo e Justiça na cobertura da corrupção política” é o nome do artigo de minha autoria que pode ser lido aqui.

Nele se analisa a relação entre os media, a justiça e a política no tratamento de quatro casos de corrupção ocorridos em Portugal entre 2008 e 2012, envolvendo governantes e outras figuras políticas, conhecidos como casos BPN, FREEPORT, FACE OCULTA e  SUBMARINOS.

Foram submetidas a análise de conteúdo 2464 peças publicadas na imprensa –  Público, Diário de Notícias Correio da Manhã e  Sol; e 1624 peças de televisão – RTP1 (Telejornal); SIC (Jornal da Noite); TVI (Jornal Nacional) – num total de 4088 peças.

A análise das  peças de televisão e de imprensa foi conjugada com depoimentos de jornalistas com experiência na cobertura de casos de justiça e declarações públicas de magistrados e outros agentes da justiça.

Entre as conclusões destaca-se o enfoque das notícias nos actores políticos e em polémicas resultantes de violações do segredo de justiça e de controvérsias no seio das magistraturas que relegaram para plano secundário a análise do fenómeno da corrupção política e das suas consequências no funcionamento da democracia e no desenvolvimento do país.

As peças analisadas assumiram em alguns casos uma função de denúncia, com enfoque no julgamento moral e na procura de culpados. O estatuto de “assistente no processo”, nos casos Freeport e Face Oculta, requerido por jornalistas de alguns dos media incluídos no estudo, ao facultar o acesso aos processos na fase de inquérito, transformou esses jornalistas em “auxiliares da justiça”, sem distinção de papéis e de metodologias entre a investigação jornalística e de investigação criminal.

Essa situação marcou o agendamento e o enquadramento jornalístico da cobertura desses dois casos pela influência que os meios de comunicação social com acesso aos processos exerceram sobre os outros, constituindo-se como dominantes na formatação de uma determinada visão desses casos e dos seus protagonistas principais. Os fenómenos de mimetismo verificados entre órgãos de comunicação criaram um fluxo noticioso circular, limitativo do pluralismo e da diversidade da informação publicada sobre os casos.

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Imprensa, Jornalismo, Justiça, Política, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s