Como na ficção, eles “comem-se” uns aos outros

O comentador Marques Mendes “encerrou” este domingo o assunto das declarações dos administradores da Caixa Geral de Depósitos com a afirmação peremptória de que eles “vão entregar ao Tribunal Constitucional as suas declarações de rendimentos e património, pedindo que estas não sejam tornadas públicas“. Assim mesmo, fala quem sabe.

Os jornalistas nem pestanejaram. Abriram telejornais e noticiários radiofónicos com as afirmações do comentador, os jornais deram-lhe gás  e foram ver se podiam  acrescentar qualquer coisinha  mas Mendes esgotou o assunto.

Foi também assim da primeira vez quando Mendes “descobriu” que os gestores se preparavam para não  apresentarem as declarações de rendimentos e de património. E até os mandou “desamparar a loja”.

E foi também assim quando Lobo Xavier disse na “Quadratura do Círculo”, quinta-feira passada, que existe um acordo escrito entre o Governo e o presidente da Caixa a garantir que não haveria declaração de rendimentos e de património.

Os partidos entraram em polvorosa cada vez que estes comentadores falaram sobre o assunto, Passos Coelho engrossou a sua bela voz e disse do Governo o que Mafona não disse do toucinho; “despudor total”, “brincar com as pesoas” etc., etc. e Dona Cristas também fez cara de má. O governo veio então pela voz do Secretário de Estado do Tesouro e Finanças  esclarecer  que não há documento nem acordo sobre esse assunto mas isso pouco importa, o que vale é o que dizem os comentadores.

E chegámos a isto: as notícias importantes são dadas pelos comentadores políticos, que não precisam, é claro,  de identificar as suas fontes nem de exercer o contraditório já que ninguém os incomoda com essas “chinesisses”, uma vez que não são jornalistas. the-walking-dead-glenn-zombieFazem lembrar os “mortos-vivos” da série televisiva The Walking Dead”. Estes estão mortos mas andam e até mordem os vivos. Os políticos comentadores são comentadores mas dão notícias e “mordem” os jornalistas.

Nesta mixórdia onde é que estão os factos, as opiniões, o spin, a contra-informação? Onde é que está a verdade? Não sabemos,, mas, vendo bem, nem isso é importante. A “pós-verdade” é a palavra do ano!

Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Imprensa, Jornalismo, Sociologia dos Média com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Como na ficção, eles “comem-se” uns aos outros

  1. J. Madeira diz:

    O mini Mendes, também conhecido como o alcoviteiro, tem um estatuto privilegiado
    mexe-se por muitos sítios e, manteve o lugar no Conselho de Estado o que, lhe dá
    de alguma forma, acesso ao Presidente da República que, é quem dispõe da mais
    segura informação do que se passa no País! O nosso Presidente gosta de falar mas, vezes não o pode fazer … logo, as “patacoadas” do comentador ganham outra força
    até porque as fontes são sagradas!!!

  2. MRocha diz:

    Há dias, como nota lateral a propósito do episódio “Pedro Dias”, afirmava que Sandra Felgueiras e O Sexta às Nove são bom exemplo de serviço público. Ora, a menos que se tenha passado a considerar serviço público a dita promoção da chamada “pós-verdade”, muito gostaria de ver concretizada aquela afirmação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s