Será que a direita vai continuar a perguntar a António Domingues porque se demitiu ou desta vez percebeu?

antonio-domingues-comissaoA audição de António Domingues na Comissão Parlamentar de Economia e Finanças foi esclarecedora a vários tìtulos: desde logo permitiu confirmar que o PSD e o CDS utilizaram a Caixa Geral de Depósitos como instrumento de luta político-partidária tentando e conseguindo criar um clima de desconfiança sobre a nova administração e sobre o plano de capitalização, não se coibindo de lançar acusações falsas ao governo e ao adminstrador António Domingues, como as de que este teria tido acesso a informações confidenciais e negociado em Bruxelas ainda como administrador do BPI.

António Domingues desmentiu hoje, uma por uma, essas acusações e foi muito claro sobre as razões da sua demissão, matéria que obcecava o PSD e o CDS conforme se viu com a repetição sistemática da pergunta na audição de hoje. Aliás, a quantidade de vezes que António Domingues repetiu a frase “como eu disse na Comissão de Inquérito“, mostra que tudo o que havia a dizer sobre o assunto já o dissera nessa Comissão.

Deve dizer-se que também grande parte dos jornalistas e comentadores embarcaram na estratégia de terra queimada da CGD adoptada pelo PSD e CDS tendo em vista desgastar o governo, sobretudo o ministro das Finanças, mas só não percebeu o que  se passou com a administração de António Domingues quem não quis perceber. Hoje o gestor explicou para os que ainda não tinham percebido: Domingues foi convidado pelo governo e exigiu um conjunto de condições que envolviam mudança de estatuto para ele e para a sua administração que passava por deixarem de estar submetidos ao estatuto do gestor público, o que levou o governo a produzir legislação específica. Essa alteração retirava aos gestores da CGD o estatuto de gestores públicos e continha implícita, de acordo com a interpretação jurídica dos juristas do governo e da Caixa Geral de Depósitos, a não obrigatoriedade de apresentação da declaração de património  ao Tribunal Constitucional. O TC ainda não decidiu se os gestores da Caixa teriam ou não de apresentar a declaração.

Ora, o PSD e o CDS e também o BE, depois de Marques Mendes ter levantado a “lebre” na SIC, iniciaram uma autêntica chicana contra o governo e António Domingues pelo facto de a nova lei ter isentado os gestores de apresentarem  a citada declaração. A partir daí aprovaram  legislação que repõe essa obrigação aos gestores da Caixa. Essa alteração mudou o contexto em que Domingues aceitara dirigir a CGD. Por seu turno, o governo nada pode fazer contra uma lei aprovada pela Assembleia da República.

Foi portanto, um factor externo não controlado pelo governo, da iniciativa do PSD, CDS e BE, que levou Domingues a apresentar a sua demissão, uma vez que os pressupostos em que formou a sua equipa se alteraram levando à demissão de grande parte dela porque não queriam ver os seus patrimónios “espalhados nos tabloides”.

O PSD e o CDS levaram estes últimos meses a perguntar a Domingues porque se demitiu, mas é claro que sabiam a resposta, apenas queriam que a chicana continuasse. Quanto aos jornalistas e comentadores que os seguiram podiam ter aplicado as suas energias a esclarecer os portugueses sobre o estado em que o governo anterior deixou o sistema bancário que, sabemos agora, é lastimoso. Ou será que vão continuar a perguntar a António Domingues porque se demitiu?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Economia, Governo, Jornalismo, Política com as etiquetas . ligação permanente.

5 respostas a Será que a direita vai continuar a perguntar a António Domingues porque se demitiu ou desta vez percebeu?

  1. Eduardo Gastão Ramos diz:

    Muitos deles percebem, mas não querem porque não lhes interessa; outros não percebem mesmo porque não conseguem lá chegar e a estes a gente deve desculpar; mas o problema é que ambos os grupos têm palco onde se exibem e influenciam quem os ouve.

  2. J. Madeira diz:

    O que o PSD e CDS fizeram e continuam a fazer em relação à CGD, não passa de
    uma tentativa canhestra de disfarçar as suas culpas pelo estado em que deixaram
    o sistema bancário! A insustentável leveza com que, a anterior ministra das Finanças
    tenta lavar as suas mãos da porcaria feita no BES, Banif e na CGD!!!

  3. Parece que você foi não percebeu que o que Domingues explicou. Veja a gravação no site da AR.

  4. Jrebelo diz:

    Quanto é que pagaram a esta alma (jornalista) para produzir este artigo tão imparcial? Não é verdade, dito pelo gestor António Domingos, que o Ministro das Finanças e o Secretário de Estado lhe tinham prometido não entregar a declaração do património? Desta forma tão imparcial como descreve no artigo, consegue convencer todos os que tinham alguma dúvida sobre o assunto. Nem um membro do PS faria um artigo tão imparcial!!!Parabéns

  5. Pingback: Será que a direita vai continuar a perguntar a António Domingues porque se demitiu ou desta vez percebeu? - Jornal Tornado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s