Um exemplo de “jornalismo cínico”

ALBERTO FRIAS E LUIS COELHO

ALBERTO FRIAS E LUIS COELHO

A expressão “jornalismo cínico” é usada nos estudos americanos para classificar o cinismo com que os jornalistas tratam os actores políticos tratando-os como culpados até provarem ser inocentes. Uma notícia de  hoje exemplifica bem  o conceito:

“Lembra-se de Lacerda Machado? António Costa, o amigo e afilhado, nunca o esquece. E, segundo o Público, acaba de prolongar por mais seis meses o contrato de consultadoria com o Governo, para que o advogado continue a fazer o que quer [que] seja que faz.” (Expresso curto)

Vejamos: a renovação do contrato de Lacerda Machado foi publicada em primeira mão pelo Público, que identifica Lacerda como “amigo confesso do primeiro-ministro António Costa” , o que é repetido por todos os jornais que “picam” a notícia. Na RTP teve destaque no Jornal da Tarde mas em vez de “amigo”  Lacerda é citado como  “advogado da confiança pessoal do primeiro-ministro”.

Embora sem o “requinte” do texto do Expresso, a notícia contém em todos os meios o  pormenor de o advogado ser “amigo” do primeiro-ministro, surgindo essa particularidade como o mote da notícia. Dir-se-ia que sem ela não haveria notícia porque renovação de contratos de assessores deve haver todos os dias.

Se as críticas à ausência de contrato no início da  colaboração de Lacerda Machado com o governo se justificaram, hoje a  menção de ser amigo do primeiro-ministro só pode ser lida como uma tentativa de diminuir Lacerda e criticar Costa. Um leitor que não tenha acompanhado a polémica da primeira nomeação, pensará que Lacerda Machado é um daqueles “boys” que os partidos e os governos têm a fama de contratarem, sem outras qualidades que o recomendem senão a amizade com o primeiro-ministro.

De facto, não se ouviu que Lacerda Machado seja incompetente, ou que tenha forjado habilitações ou tido qualquer falha nas tarefas de que foi incumbido nem ninguém questionou a sua competência técnica. Porque se continua então a mencioná-lo como “amigo” do primeiro-ministro? O que é que essa qualidade acrescenta à notícia?

Acresce que o facto de o primeiro-ministro e o próprio Lacerda Machado terem assumido a longa amizade que os une não justifica que os jornalistas usem essa ligação pessoal para semearam a dúvida sobre as razões da sua contratação. Não se espera que os jornalistas sejam simpáticos e carinhosos para com os actores políticos mas espera-se que, pelo menos, não sejam excessivamente cínicos.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Governo, Jornalismo, Política com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Um exemplo de “jornalismo cínico”

  1. Teresa Rouxinol diz:

    Havia de contratar um inimigo… E 2000€ mensais não é propriamente um balúrdio para um cargo destes. A comunicação social tem o Governo e o PM como um alvo a abater e estão determinados nessa tarefa.

  2. Oportunismo jornalístico para disfarçar a falta de ideias, Por outro lado tem leitura garantida, pois o dizer mal, além de mais fácil tem, actualmente,em Portugal, leitura garantida.

    Carlos Patrício Álvares (Chaubet).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s