e a jornalista pergunta ao ministro: “O que sente quando olha para o Presidente….”

A jornalista pergunta ao ministro se “o governo não se sente humilhado quando olha para o Presidente que respondeu à senhora que escreveu uma carta às entidades oficiais a pedir ajuda para a sobrinha que perdeu a mãe no incêndio de Pedrógão”.  O ministro responde que não, o governo não se sente  humilhados, “estamos a trabalhar no terreno desde o primeiro dia” e desfiou o rol de trabalhos e medidas que estão a ser efectuadas. …. Mas a jornalista tinha pressa e queria que o ministro lhe desse datas para as casas estarem recuperadas e o dinheiro distribuído e tudo o resto resolvido. Só faltou exigir que o ministro se comprometesse com S. Pedro ou com quem lá no Alto garantisse que não haverá mais fogos…

O ministro não quis dizer à jornalista, certamente para não quebrar o embevecimento que o Presidente provoca nos jornalistas, que o governo não compete com o Presidente, que é aliás, inultrapassável em matéria de distribuição de afectos e de selfies. Estabelecer, como se faz aqui,  uma comparação entre a acção do Presidente e a do governo e extrair dessa comparação ilacções negativas para o governo é não perceber os diferentes papéis que  no ordenamento constitucional português cabem a cada um da um destes órgãos de soberania.

Na situação de emergência em que o País se encontra não se espera que o governo tenha como prioridade responder directamente a cartas de pessoas afectadas, por muito justas que sejam as reivindicações. Espera-se sim  que resolva os problemas das populações afectadas como está a fazer em tempo útil que não é certamente aquele que lhe exigem o PSD e o CDS e os  jornalistas.

O que se passou hoje em Alijó com o SIRESP é bem o exemplo da paranóia que se apoderou da direita e dos media. O presidente da câmara, por sinal membro do PSD, acusou o SIRESP de falhas no incêndio que atacou a região. Ora, por mais que os bombeiros no local e as autoridades da Protecção Civil dissessem que as quebras de comunicação foram irrelevantes e sem quaisquer consequências, o PSD deu conferência de imprensa com o deputado de serviço aos incêndios, Abreu Amorim, a chamar a ministra ao Parlamento “com a máxima urgência” e Cristas  veio dizer que são todos “incompetentes”.

Claro que Cristas e o PSD não se lembraram ainda de que há relatórios do tempo em que PSD e CDS eram governo e Cristas era ministra, em que são relatadas falhas do SIRESP  que eles nunca resolveram mas lhes servem agora de arma de arremesso.

Bem pode o Presidente pedir que não se usem os incêndios como arma eleitoral mas é sermão aos peixinhos…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, imagens, Imprensa, Jornalismo, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a e a jornalista pergunta ao ministro: “O que sente quando olha para o Presidente….”

  1. rosa bobança diz:

    Que falta de decoro destes jornalitas ,poque será que fazem tanta pergunta estupida?

  2. Bernardo Maria diz:

    Esta Srª Jornalista quer ser a M.M. Guedes do jornal da noite da SIC
    Bernardo
    Cascais

  3. F Soares diz:

    Há definitivamente uma agenda , cada vez mais difícil de esconder, que inclui toda a comunicação social e o MP entre outros. Até parece um golpe de estado em curso…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s