Os “talibans”, “fanáticos”, “tifosi do governo” e outras coisas mais, que se atreveram a criticar o Expresso

Num  artigo publicado no Expresso diário e no Facebook um jornalista desse semanário chama “talibans”, fanáticos”,”tifosi do governo”, portadores de delírios que precisam de “intervenção urgente das competentes entidades de saúde” àqueles que, tal como eu fiz neste post  se atreveram a criticar a manchete do Expresso do sábado, 22  de Julho, que anunciava “Lista dos 64 mortos exclui vítimas de Pedrógão“,

Nesse post considerei a manchete “simplista,  enganadora e sensacionalista”. Ora, o jornalista que insulta os críticos confessa que afinal ele próprio criticou essa manchete “dentro do jornal” onde terá afirmado que “aquela manchete não se percebe” e por isso “não pode ser boa” . Leia-se o que esse jornalista escreveu:

“(…)” Por uma questão de lealdade, fiz as minhas apreciações a quem de direito dento do jornal. Serei por isso parcimonioso na crítica pública. Digo apenas que achei a formulação infeliz, pela simples razão que aquela manchete não se percebe. Eu, pelo menos, não a percebi porque não se consegue tirar dali um sentido. E isto significa que não leio ali uma manchete contra o Governo, contra a oposição ou a favor do que quer que seja. Não percebo, ponto final. E uma manchete que não se percebe não pode ser boa.” (Filipe Santos Costa, Expresso)

O artigo é elucidativo sobre um pensamento infelizmente muito frequente na prática jornalística que consiste no facto de muitos jornalistas considerarem que não devem explicações aos seus leitores adoptando, pelo contrário, uma atitude arrogante, por vezes insultuosa e ameaçadora, pensando no poder de usarem o jornal onde escrevem para inibirem os críticos.

O Expresso não deu publicamente  qualquer explicação acerca do sentido da sua manchete, tendo pelo contrário no editorial da edição deste deste sábado considerado que tudo o que escreveu estava certo, ignorando ou iludindo a questão  que motivou as críticas, isto é, a citada manchete.

Temos, pois, que os escrutinadores não aceitam ser escrutinados. Falta-lhes humildade e transparência. Mas como as  generalizações são sempre injustas Daniel Oliveira na mesma edição do  Expresso e São José Almeida, no Público deste sábado (textos disponíveis para assinantes) escrevem no mesmo sentido do meu post que mereceu os insultos do artigo jornalista do Expresso:

“(…) o Expresso desenvolveu uma investigação própria e foi rigoroso nos números e nas identidades que divulgou. Mas fez, há uma semana, uma manchete de sentido dúbio que ajudou à confusão num assunto que tem de ser tratado com pinças”. (Daniel Oliveira, Expresso)

[A manchete do Expresso]  não correspondia à notícia no interior (…)” (São José Almeida, Público)

Serão eles também “talibans”, “fanáticos”, tifosis do governo” e doentes”?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Imprensa, Jornalismo, Política, Sociologia dos Média. ligação permanente.

3 respostas a Os “talibans”, “fanáticos”, “tifosi do governo” e outras coisas mais, que se atreveram a criticar o Expresso

  1. Anónimo diz:

    O ilusionista começa e insiste no chamar a atenção da audiência para a mão direita: “Vejam bem, nada na manga …”.
    Neste caso a audiência colabora e berra em uníssono. “Olhem, com muita atenção,nada na manga”. Serão 64,3 segundo a média dos relatórios…
    O problema é, indiscutilvelmente, a contagem dos mortos. O País poderia arder todo. Tudo bem. Mas lá tentarem enganar o pessoal no número de mortos !, isso é que não. Ficamos, sossegados, com a realidade, Foram 64,3.

  2. António Nunes diz:

    O que o jornalista do Expresso não explica é a razão de ser de tal manchete. É aí que reside o problema.
    O Balsemão vir a publico explicar-se (mesmo que atacando), é sinal que meteram o pé na argola por muito poucos dividendos. Talvez se coíbam, em nome de uma Instituição de referência do jornalismo português, a repetir a graça.
    Ou talvez não. E, se tal acontecer, vivam as redes sociais.

  3. F Soares diz:

    E depois temos as declarações de F P Balsemão, numa conferencia d, na Cidade da Praia

    “A lixeira gigantesca nas redes sociais e nos motores de busca é cada vez mais explorada para difusão de mentiras, meias verdades e factos alternativos”, disse o presidente do grupo de media português Impresa. ( (jornal Económico).
    O pessoal do Expresso deveria meditar nestas declarações…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s