Cavaco e Macron: equívocos e omissões na lição de Cavaco

Na Universidade de Verão do PSD Cavaco Silva não se cansou de elogiar o presidente francês Emmanuel Macron, elogiando o seu estilo e a sua actuação por oposição ao que ele chamou, (por comparação implícita com Marcelo)  a “verborreia  frenética da maioria dos políticos europeus dos nossos dias”. No elogio a Macron, Cavaco invocou a relação deste com a imprensa e o distanciamento face aos jornalistas que Macron assumiu após ter sido eleito Presidente da República, o que aliás  lhe tem merecido fortes críticas.

Ora, o que Cavaco Silva não disse foi que o Macron-Presidente cujas atitudes para com a imprensa ele tanto aprecia tem vindo a perder o apoio dos franceses que lhe deram a maioria absoluta após uma campanha eleitoral em que o Macron-candidato agiu para com a imprensa de maneira bem diferente.

Bastaria que Cavaco tivesse visto o documentário da Netflix, “Behind The Rise” (ainda está a tempo) sobre a campanha presidencial de Macron para verificar que afinal o Macron que os franceses elegeram com uma estrondosa maioria fazia o que Cavaco condena nos outros “líderes europeus”.

Com Macron “não há promiscuidade no relacionamento com jornalistas”, disse Cavaco aos jovens do PSD e seria impossível Macron “telefonar a um jornalista para lhe dar uma notícia”. Ora, no documentário  da Netflix pode ver-se Macron a telefonar à France Press para lhe dar o “exclusivo” da aliança proposta por  François Bayrou, líder do Movimento Democrático, que se juntou ao movimento En Marche de Macron.

Noutro momento do documentário Macron aconselha os membros da sua equipa a serem cordiais e afáveis com os jornalistas, o contrário do distanciamento que  Cavaco  lhe atribui.

Também ao contrário de Cavaco, no documentário da Netflix, quando a campanha presidencial francesa aqueceu, com a extrema-direita apupando Macron e a sua equipa invocou instruções da segurança para que não se expusesse demasiado, Macron ordenou-lhes que não fizessem caso do que a segurança dizia e que era preciso “correr riscos”. Levou com um ovo na cara mas riu-se do caso e não se deixou atemorizar. Precisamente o o oposto de Cavaco que quer enquanto candidato quer depois como primeiro-ministro e presidente surgia sempre bem guardado.

O Macron que Cavaco omitiu durante a campanha presidencial reagiu aos boatos ( de homossexualidade) sem acrimónia, enfrentando-os com naturalidade “se eu fosse homossexual dizia, isso hoje é natural“, disse aos jornalistas, ao contrário de Cavaco que na sua campanha presidencial se voltou contra tudo e todos quando  surgiram as questões relacionadas com o BPN.

Cada um tem os seus sonhos e Cavaco  Silva pode querer rever-se em Macron. Pena é que escolha como arquétipo do seu ideal de Presidente precisamente o lado de Macron que  lhe está a fazer perder o apoio da grande maioria dos franceses.

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Jornalismo com as etiquetas , . ligação permanente.

Uma resposta a Cavaco e Macron: equívocos e omissões na lição de Cavaco

  1. Abraham Chevrolett diz:

    Cavaco admirará a maquilhagem do francês? Não vejo outro motivo!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s