As campanhas eleitorais ainda são o que eram

As eleições autárquicas vieram desfazer o mito de que as campanhas eleitorais mudaram muito nos últimos anos  graças sobretudo às redes sociais e ao afastamento dos cidadãos da política e dos políticos. Ora, sendo certo que as redes sociais alteraram substancialmente o panorama mediático alargando a participação dos cidadãos na discussão pública, já o desinteresse pela política e pelos políticos ficou por provar, uma vez que, por um lado, a abstenção desceu e, por outro, o número de candidaturas independentes subiu.

Nesta campanha, como em anteriores, os candidatos valeram pela imagem que as televisões deles transmitiram, ganhando aqueles e aquelas que mais e melhor exploraram as características desse meio. Assunção Cristas ganhou em variáveis essenciais para se vencer num contexto em que a substância das propostas conta menos que a aparência das coisas.

Cristas foi demagógica, como bem salientou Pacheco Pereira, com uma campanha despesista que ninguém analisou. Foi  populista quando saíu para a estrada a colocar propaganda nos pára-brisas dos automóveis e quando no dia seguinte  à eleição, chamou as televisões para a verem subir escadotes para retirar cartazes.  Cristas soube ainda engrossar a voz contra Medina e foi mole com  a candidata rival do PSD, Teresa Leal Coelho, para não espantar o seu tradicional parceiro.

Cristas foi capaz de transformar a perda de votos a nível nacional numa enorme vitória do CDS. Sem dúvida que foi mérito seu e demérito da candidata do PSD, o CDS ter passado para segundo lugar em Lisboa. Foi uma vitória simbólica mas o CDS não deixou de continuar a ser um partido ultra-minoritário a nível nacional.

O êxito de Cristas em Lisboa pode contudo ser-lhe fatal se continuar, como parece  ser o caso, o caminho demagógico e populista. De facto, como bem notou Manuela Ferreira Leite, a proposta de isentar de IRS as horas extraordinárias  como antes as 20 novas estações de Metro em Lisboa, denunciam a pouca consistência do seu programa político e a leviandade das suas propostas. Podem enganar-se alguns durante algum tempo mas não se podem enganar todos durante todo o tempo.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Política com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Uma resposta a As campanhas eleitorais ainda são o que eram

  1. J. Madeira diz:

    A amazona Cristas pode agradecer a votação em Lisboa à falta
    de comparência do PSD! Por outro lado, dada a sua insustentá-
    vel leveza política, como se viu no ultimo debate já após os resul-
    tados das autárquicas … continuou a lenga lenga do PSD !!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s