“Obrigada, senhor deputado por ter interrompido a conferência de líderes para falar ao Fórum da TSF”.

A frase do título deste post é do moderador do Fórum, jornalista Manuel Acácio, e a conferência de líderes a que ele se refere destinava-se a discutir o modelo da Comissão Técnica Independente que vai investigar o incêndio de Pedrógão.

Cito a frase porque ela é um bom exemplo do enquadramento em que decorre a discussão política e  mediática do incêndio de Pedrógão. Ela mostra a prioridade que  os políticos em geral e os deputados em particular estão a dar  à sua presença nos media, produzindo declarações sucessivas para marcação da agenda jornalística. Mostra também como os media necessitam das palavras dos políticos e lhes dão, por sua vez, prioridade sobre a reflexão e o debate das causas e das consequências mais profundas da tragédia.

O exemplo do fogo de Pedrógão revela também as contradições do discurso da oposição, patente, por exemplo, nas palavras do deputado do PSD Abreu Amorim e do líder parlamentar do CDS, Nuno Magalhães, que no mesmo Fórum da TSF acusaram o governo de permitir “uma “confusão pegada” e “um passa-culpas” por causa dos relatórios contraditórios da Protecção Civil, dos Bombeiros, do SIRESP e da GNR. O  PSD e o CDS  dizem agora que esses relatórios (que antes pediam) não deviam ser divulgados por serem parcelares. O CDS pergunta “onde pára o governo.?” certamente à espera que o governo mandasse calar a Protecção Civil, o SIRESP e a GNR.

Outros dirigentes políticos e jornalistas dizem que o Governo não deve fazer perguntas aos serviços mas sim dar respostas e a direita criticou o que chamou de “protagonismo do Governo” em Pedrógão nos primeiros dias da tragédia.

Os cidadãos mais atentos percebem como tudo isto é contraditório e facilmente desmontável. De facto, como queriam o PSD e o CDS que o Governo não divulgasse os relatórios “parcelares” dos organismos intervenientes nos fogos, perante a formidável pressão dos media, da direita  (Assunção Cristas fez 25 perguntas) e dos comentadores que queriam saber tudo imediatamente?. Não leram os editoriais inflamados com listas intermináveis de perguntas ?  Se o governo não divulgasse os relatórios seria acusado de os esconder  e de omitir informação.  Agora alguns dos que fizeram perguntas perceberam que não era o tempo das perguntas e criticam o excesso de respostas.

Por outro lado, se o primeiro-ministro, a ministra Constança e o secretário de Estado não estivessem no terreno nos primeiros dias da tragédia  seriam acusados de “não darem a cara” e as perguntas habituais “onde está  o governo?” não deixariam de surgir.

A luta por um lugar no palco dos media atingiu dimensões grotescas com a infeliz declaração de Passos Coelho a falar de “suicídios”. Passos acabou por ele próprio ser vítima do seu candidato à autarquia de Pedrógão e actual provedor da Santa Casa que lhe quis prestar um “servicinho”, dando-lhe em primeira-mão uma “notícia” que era afinal um boato. Ambos pediram depois desculpa mas Passos apressou-se a manter o seu informador como candidato do PSD apesar de ele mostrar que não tem o bom senso necessário para a função.

Volto ao início deste post: o deputado que interrompeu a conferência de líderes sobre os incêndios para falar na TSF,  a quem o moderador do Fórum agradeceu a interrupção, perdeu  parte da discussão na conferência de líderes mas o que ele não quis perder foi a presença na rádio. Aí, onde o País podia ouvi-lo,  aproveitou o tempo para atacar o governo. Na conferência de líderes, à porta fechada, só os seus pares o ouviam. Parece que nessa conferência reinou grande consenso. Ainda bem.

É assim a política. Mas não toda a política nem todos os políticos.

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Governo, Imprensa, Jornalismo com as etiquetas . ligação permanente.

11 respostas a “Obrigada, senhor deputado por ter interrompido a conferência de líderes para falar ao Fórum da TSF”.

  1. Pingback: E quando o "mensageiro" não confirma a "mensagem"? - Jornal Tornado

  2. Pingback: Passos Coelho, os jornalistas e a “lei da “rolha”, ou os “suicídios” que não existiram e o helicóptero que afinal não caíu. | VAI E VEM

  3. Pingback: » Um político pode chorar em público? Não se for mulher….

  4. voce
    e o Tony silva dos programas do Herman?

  5. Pingback: Um político pode chorar em público? Não se for mulher…. | VAI E VEM

  6. José Rodrigues diz:

    Que eu me lembre, e já lá vão setentas e tais, a floresta só não arde de inverno e raramente no Alentejo. E mesmo assim, às vezes…

  7. Benigno Ataíde diz:

    A ausência de qualidade para exercer cargo político é preocupante e mesmo no plano meramente cívico estes senhores dão muitos maus exemplos. Justificam assim as abstenções crescentes que se verificam em todos os actos cívicos .

  8. Bom discernimento!

  9. tony silva diz:

    É esta a qualidade dos políticos deste país, uns merdas ,incompetentes e a olhar apenas para os seus interesses descurando o povo ao qual deviam prestar contas.

  10. Pingback: Exactissimamente | Aspirina B

  11. Ricardo Charters d'Azevedo diz:

    Debater este problema não se reduz, tão-só, a assacar responsabilidades, apontar erros humanos e falhas dos meios materiais, organizacionais e funcionais dos dispositivos de combate aos fogos, porque tudo isto são questões colaterais a jusante da verdadeira questão que é a de saber porquê a floresta arde, hoje, e não ardia tempos atrás, e como evitar esta fatalidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s