Fiquei com uma dúvida: é “tomar” ou “levar” no dito?

O ex-secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, animou hoje o pagode que bem precisa de animação, ao avisar, no seu blog, o seu ex-colega no Governo,  Paulo Núncio: “se por acaso, algum senhor da Autoridade Tributária e Aduaneira tentar «fiscalizar-me» à saída de uma loja, um café, um restaurante ou um bordel (quando forem legalizados) com o simpático objectivo de ver se eu pedi factura das despesas realizadas, lhe responderei que, com pena minha pela evidente má criação, terei de lhe pedir para ir tomar no cu, ou, em alternativa, que peça a minha detenção por desobediência. Ele, pobre funcionário, não tem culpa nenhuma; mas se a Autoridade Tributária e Aduaneira quiser cruzar informações sobre a vida dos cidadãos, primeiro que verifique se a C. N. de Proteção de Dados já deu o aval, depois que pague pela informação a quem quiser dá-la.”

O aviso do ex-secretário de Estado saltou rapidamente do seu blog para as redes sociais e daí para  jornais, Estava visto que a notícia seria o “tomar no cu” embora o post do ex-secretário de Estado contenha uma observação pertinente, como seja saber se a Comissão Nacional de Protecção de Dados deu o aval ao Fisco para andar a pedir informações às pessoas.

Dado o sucesso imediatamente conquistado pela expressão “tomar no cu”, várias questões se colocam: a primeira é saber se a expressão é “tomar no cu” ou “levar no cu”. As opiniões dividem-se, com a maioria a optar por “levar no cu”. Descobriu-se então que “”tomar no cu” é mais usada no Brasil, pelo que o ex-secretário de Estado quis ser  “cosmopolita” e usou a versão brasileira.

SIC tomar no cu

TVI tomar no cuOutra dúvida era saber como iriam as televisões tratar o caso. Constatou-se então que a SIC e a TVI reproduziram a expressão por escrito no écran e oralmente, em off. A RTP reproduziu no écran, leu em off o post mas quando chegou à frase suspendeu a leitura, continuando na frase seguinte. É claro que os pivôs estavam com imensa vontade de rir.  RTP tomar no cu

Eu também me fartei de rir. E lembrei-me que o fiscal a quem ele disser para “ir tomar no cu” lhe pode responder como alguém  me respondeu quando eu lhe disse o mesmo, na versão  portuguesa: “isso queria eu!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Blogs, Comunicação e Política, Jornalismo, Política, Sociedade, Sociologia dos Média, Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a Fiquei com uma dúvida: é “tomar” ou “levar” no dito?

  1. dariosilva diz:

    Oh, como estou de acordo com o comentário anterior!

  2. afonso diz:

    “fiLha de uma gata sem bigodes, cagamerdeira.”,
    …oH Gil Vicente! nem tu pai do teatro fostes tão macaco creativo deste português com um AO que faz descorrer tinta vermelha…!

  3. Victor diz:

    O Chico é “abrasileirado”, e portanto escolheu “tomar”, talvez também um pouco influenciado pela proveniência do “Miguel dos Créditos”.
    Já agora se me permite, não para os funcionários da AT, mas para a corja de que o Chico fez parte há pouco tempo, não é tomar, nem levar, mas sim apanhar no dito. Abusando um pouco, permitir-me-ia dizer, “deviam apanhar no dito, grandes fdp’s”.
    Desculpe o abuso, mas esta gente já só a tiro é que lá vai.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s