Tragédia do Meco: as televisões e a procura da verdade

MecoA tragédia do Meco poderá ficar para a história do jornalismo, em particular para a história da televisão, como um caso em que o jornalismo forçou a justiça a investigar a morte dos jovens que perderam a vida numa noite fatídica do mês de Dezembro.  É ainda cedo para tirar conclusões mas até ao momento, no essencial, as televisões têm estado à altura de uma das funções mais importantes do jornalismo: a procura da verdade.

A concorrência entre televisões levou cada uma a avançar mais longe nessa procura e cada qual a marcar nas peças emitidas o seu estilo próprio – nuns casos a maximização das audiências, noutro a contenção, sem prejuízo do aprofundamento dos elementos disponíveis.

Este caso contou com  um novo  “player” no terreno: a CMTV – o canal de televisão do Correio da Manhã. Dotada de jovens repórteres “agressivos”, como se viu na “perseguição” ao sobrevivente do Meco, João Miguel Gouveia, com a repórter a insistir nas perguntas expondo à exaustão o silêncio absurdo e ensurdecedor do jovem sobrevivente, a CMTV constitui  um desafio para as suas “rivais” mais antigas, nomeadamente a SIC e a TVI. A entrevista de Andreia Vale aos pais de uma das vítimas do Meco, esta noite, foi um momento de televisão de grande expressividade e  verdade.

A TVI  tem-se destacado  pela procura de documentos e de pistas na procura de explicações para o sucedido, em peças que exploram de maneira eficaz e persuasiva as potencialidades das imagens e dos sons, criando uma narrativa verosímil para a tragédia do Meco. Não obstante o deslize de uma reconstituição ficcionada, a TVI tem-se destacado pela descoberta de elementos que poderão revelar-se essenciais para algumas das respostas que tardam.

Finalmente, a RTP. Se dúvidas houvesse sobre a marca de serviço público que distingue a RTP das suas congéneres privadas, a cobertura da tragédia do Meco tem mostrado essa distinção. A reconstituição feita no último programa “Sexta às 9” monitorizada  por um antigo investigador da Polícia Judiciária, Paulo Santos, teve um cunho didáctico, com o investigador problematizando as questões colocadas por cada pista,  mostrando como uma  certeza pode não ser mais que uma de muitas dúvidas e uma prova pode efectivamente não o ser. A RTP deu um passo  gigante para uma melhor compreensão  do trabalho da investigação criminal, sem especulações mas sem deixar de introduzir o telespectador nas contradições entre algumas respostas de jovens estudantes entrevistados em programas anteriores e  as explicação do investigador Paulo Santos. A RTP mostra que também num caso que tem tudo para se transformar num terreno fértil em derrapagens éticas  é capaz de fazer  serviço público.

Vai ser interessante seguir o que fará a justiça com este caso. Poderemos talvez vir a saber se a investigação jornalística caminhou paralelamente à investigação judicial, se chegarão a confluir e se alguma descobrirá a verdade sobre a tragédia do Meco.  Talvez possamos saber quem conduziu o processo e se as descobertas dos jornalistas foram apenas excelentes peças televisivas ou se acrescentaram algo ao nosso conhecimento da verdade. E saberemos também se a Justiça cumpriu o seu dever e foi capaz de, por uma vez, chegar à verdade.

Seja como for, há um enorme avanço ético e qualitativo do jornalismo desde o caso “Casa Pia” até ao Meco. Espero que os próximos tempos não desmintam esta convicção.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em imagens, Jornalismo, Justiça, Sociedade, Sociologia dos Média, Televisão com as etiquetas . ligação permanente.

5 respostas a Tragédia do Meco: as televisões e a procura da verdade

  1. Sara Vilhena diz:

    O título da notícia ” O Dux quebrou o silêncio” e a jornalista numa perseguição ao João Gouveia, atinge o limite do ridículo, falta de respeito pelo espaço dos outros, só revelando até onde vão o ser humano quando quer alguma coisa . Não sei como a administração da CMTV, que como já afirmaram aqui e muito bem, que o artigo é de igual nível aos tabloides britânicos, não filtra estas situações .

  2. Caro José, compreendo a tua reacção e também me interroguei sobre algumas questões que levantas. Porém, considero que face ao alarme público causado pela tragédia e pelas interrogações levantadas sobre o silêncio do jovem sobrevivente, nomeadamente a angústia dos pais dos seis jovens desaparecidos causada por esse silêncio, se justificou tentar que o sobrevivente (que é filmado na rua e não num lugar privado) pudesse responder de viva voz e que pudesse ser visto e ouvido. Curiosamente, a repórter não foi insolente nem fez perguntas desajustadas ou invasoras da privacidade do jovem (ao contrário do que aconteceu numa peça sobre o caso Bárbara Guimarães/Carrilho).

  3. José Couto Noguieira diz:

    Estrela, caríssima colega, por quem tenho o maior respeito e consideração, não esperava este comentário teu sobre a actuação da CM-TV. Pois eu acho – e nisso não estou sozinho, como tenho visto por aí – que a peça é uma vergonha inenarrável. A começar pelo título, como salienta o cristof9 aqui nos comentários; e a continuar naquela caça ao homem inadmissível pela jovem estagiária certamente ameaçada de morte pelo editor – ou trazes uma resposta dele ou… Nem que ele fosse o extripador confesso de 50 menores, poderia ser inquirido com aquela insistência em frente da câmera. Quanto à entrevista aos pais, quanto à reconstituição do incidente e quanto à cobertura em geral deste caso, não tem ficado a dever nada aos piores tablóides britânicos.

  4. Pingback: Clube de Jornalistas » Tragédia do Meco: as televisões e a procura da verdade

  5. cristof9 diz:

    pelo menos o titulo do CM-TV é duma baixaria jornalistica de pasquim de sarjeta= “finalmente O Dux quebra o silencio” ; mais baixaria jornalistica que isto só deduzir pelo silencio o que estava a pensar.E achar que um é o culpado pela morte deadultos com formação superior é duma infantilidade mental assustadora. espermos que a justiça na sua lentidão seja um pouco menos especulativa e hipocrita.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s