No quarto do hospital

nesga de luzOlhar o país e o mundo a partir de um quarto de hospital, acompanhando um ente querido,  ensina a relativizar as coisas e a perceber que o que antes parecia importante  e prioritário é capaz de não ser mais do que um momento fugaz que a espuma dos dias e o ruído mediático farão desaparecer substituindo-o por outro e outros que, por sua vez,  se transformarão em novos momentos igualmente breves e fugazes.

A pequena televisão no quarto é a ligação possível com o mundo exterior a quebrar a monotonia das batas brancas e verdes que entram e saem ao ritmo das rotinas estabelecidas. No quarto do hospital o mundo fica lá longe e as notícias tornam-se banais, quase insignificantes.

No quarto do hospital descobre-se que afinal podemos parar o mundo como se ele não existisse, como se as imagens que passam no pequeno écran a que tirámos o som fossem de um outro mundo a que já pertencemos mas que deixou de interessar, simplesmente porque nada mais existe para além das fronteiras  do quarto do hospital.

Há um lado egoísta neste sentimento de que nada é mais importante do que a nossa dor, ela sim insignificante perante desgraças como as centenas de refugiados que morrem cada dia tentando fugir da guerra, da miséria e da morte.

Mas há também um lado criador no sofrimento, que nos faz descobrir ou conhecer melhor o pequeno mundo em que a dor nos encerra. Observar de perto o dia a dia de um hospital é uma experiência dolorosa mas enriquecedora. Podemos então perceber melhor o que está em causa quando fazemos opções políticas e queremos escolher o  modelo de sociedade que melhor acautele os direitos e a dignidade a que todos os seres humanos têm direito. Percebemos aí a importância do estado social e a relevância de o desenvolver e melhorar. E percebemos que temos ainda um caminho a percorrer.

No quarto do hospital os grandes assuntos do momento esfumam-se no silêncio e na meditação, como uma nesga de luz perdida na escuridão. A vida e a morte, o sofrimento e a angústia, a esperança e o desânimo ocupam o espaço e o tempo. O mundo fica lá fora, ausente das imagens que povoam as nossas cabeças….

(Post dedicado aos amigos que perguntaram por mim)

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sociedade. ligação permanente.

11 respostas a No quarto do hospital

  1. Pingback: No quarto do hospital

  2. Não me posso considerar seu amigo. Nem do peito nem de perto. Mas sou um assíduo leitor e admirador dos seus textos. Por isso ter dado pela sua falta e ter ficado preocupado quando soube que metia hospital. Todavia, ao saber que tinha lá estado somente como acompanhante, descansei. E ainda bem que assim é, pois poderei continuar a ter o prazer de ler os seus textos. Uns mais oportunos e contundentes que outros, mas todos sempre com interesse de leitura. . Carlos Patrício Álvares (Chaubet)

  3. Não posso ter pretensões para dizer que sou seu amigo. Mas posso dizer que é uma pessoa que, pelo que escreve e pela forma como o faz, simpatizo. Assim,. ainda bem que reapareceu.E que a sua passagem pelo hospital, tenha resolvido completamente o problema que a levou lá. Com consideração e respeito Carlos Patrício Álvares (Chaubet)

  4. Magda diz:

    As melhoras e regresse `depressa1

  5. maria isabel diz:

    diariamente abria o vai e vem e nada…nada para ler, para pensar… achei estranho. Afinal está tudo explicado. as melhoras ao familiar. Uma quase Elvense preocupada.

  6. tenho andado por fora,e por isso deixei de a ler. bem -vinda a beirais,desculpe ao “vai e bem.”.gosto de a ler. identifico-me ,com a sua maneira de estar na vida.simples, solidaria e da esquerda democratica. muita saúde para si e para os seus.

  7. Caro Manuel Pacheco, obrigada pelas suas palavras. Apenas uma rectificação:acompanho um familiar hospitalizado.

  8. Manuel Pacheco diz:

    Duvidava de algo. Mas nunca pensei que estivesse internada num hospital. Ali dá-nos para pensar em tudo. Infelizmente já passei vários dias por várias vezes que estive internado. Umas vezes na Ordem Carmo, no Porto e outras no I.P.O. também no Porto. As horas e dias nunca mais passam. E a sensação que se tem quando de é levado para a sala de operações. É aterrador.
    http://coisasquepodemacontecer.blogspot.pt/2010/08/coisas-do-dia-dia_9121.html

  9. Elisio diz:

    Belissimo texto sobre uma crua realidade: “No quarto do hospital o mundo fica lá longe …”

  10. Luis Arteiro diz:

    Tinha saudades de a ler……….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s