Um banqueiro de quem os jornalistas gostavam

BES por Cristina Ferreira

«(…) [Ano de 2004]

15 de Janeiro. As multinacionais e as grandes empresas têm uma prática de oferecer viagens aos media, o que gera um ambiente informal favorável a passar mensagens que interessam. Entre Salgado e a comunicação social sempre houve uma empatia recíproca. Salgado gostava de falar através dos jornalistas, os jornalistas viam nele o poder. Se necessitava de enviar recados, o banqueiro promovia encontros em locais inesperados. Um deles decorre em Megève, nos Alpes franceses, onde fala da tentativa de concentração com o BPI: “Não se concretizou devido ao grande peso que o La Caixa (16%) tinha. Não somos ingénuos e percebemos o risco.” Observações reproduzidas na imprensa do dia seguinte.

(…)» (excerto do artigo de Cristina Ferreira “BES: Crónica do fim do império: Ascensão e queda dos Espírito Santo, Público, Revista 2 19/10/2014

É um extenso trabalho o que a Revista 2 do Público iniciou este domingo, que não se limita a reproduzir documentos, antes os relaciona e enquadra, como aliás a mesma jornalista  fez noutro excelente trabalho sobre  “O dia em que Sócrates pediu a Cavaco para o salvar da troika”, publicado no Público em Abril de 2012, cerca de um ano após o resgate.

O pequeno excerto que reproduzo acima remete para o que outro jornalista, Nicolau Santos, escreveu no Expresso sobre a maneira como Ricardo Salgado  se relacionava com os jornalistas.

Seria útil conhecer também esse  lado da história do BES – as relações entre Ricardo Salgado e a imprensa – para uma melhor compreensão de como foi possível  um grupo com 150 anos de história dirigido por um banqueiro considerado emblemático desmoronar-se de um momento para o outro perante a (aparente) surpresa e impotência do País.

Não será talvez um trabalho para ser feito por jornalistas, eles próprios protagonistas dessa parte da história. Mas o seu contributo, através de relatos como os de Cristina Ferreira e Nicolau Santos, é importantes e indispensável para quem queira lançar-se nessa tarefa.

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comunicação e Política, Imprensa, Jornalismo, Sociologia dos Média com as etiquetas , . ligação permanente.

3 respostas a Um banqueiro de quem os jornalistas gostavam

  1. Pingback: A fúria contra os convites a políticos e a governantes - Jornal Tornado

  2. Pingback: A fúria contra os convites a políticos e a governantes | VAI E VEM

  3. A.M. diz:

    Quem tiver olhos que veja, quem tiver ouvidos que oiça, como diz a Bíblia…
    Eu vi e ouvi o suficiente, das fontes que indica, par inferir que os meios em geral estavam, estão, comprados, pelo dinheiro (como pelo poder), pelo dinheiro do poder, como pelo poder do dinheiro.
    E cumprem, vão cumprindo, esses meios, a sua função cínica primacial: a de convencer o povo que está a chover, quando os ricos lhe urinam para cima.
    Que saudades dos meios (vá, dos jornais) da minha juventude, Lisboa-Capital-República-Popular, etc. Apesar da Censura, o que eles não faziam, a que nível não estavam!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s