O caso do procurador detido é um escândalo de proporções incalculáveis

Foto: FILIPE AMORIM/GLOBAL IMAGENS

Foto: FILIPE AMORIM/GLOBAL IMAGENS

A detenção do procurador do Ministério Público Orlando Figueira por suspeitas de corrupção e branqueamento de capitais é um facto perturbador. Não porque outros agentes da justiça não tenham já anteriormente sido alvo de processos. Acontece, porém, que, segundo o Diário de Notícias,  o procurador Orlando Figueiras foi responsável por   processos relacionados com políticos e altas figuras do Estado angolano  – “BES Angola” e “Caso Banif” – e terá recebido “luvas” em milhares de euros para arquivar esses  processos.

Orlando Figueira deixou as funções de procurador para se tornar consultor para a área de “compliance” do Activo Bank e para a sociedade de advogados BAS, ambos com ligações a Angola.  Isto é, além de luvas, o procurador terá sido também recompensado com emprego pelo arquivamento dos processos que envolviam aquelas altas figuras angolanas.

O procurador Orlando Figueira é um especialista na investigação da corrupção e do  branqueamento de capitais, crimes de que está agora indiciado. Trata-se, pois, de um enorme embaraço para o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) – o departamento em que trabalhou até 2012 – e para todo o Ministério Público.

O caso reveste-se ainda de contornos mais preocupantes quando se sabe  que em 2012  a actual procuradora-geral, Joana Marques Vidal, impediu, com um voto contra, que o Conselho Superior do Ministério Público inquirisse o procurador  Orlando Figueira sobre a entidade para quem estava a trabalhar. Não se sabe porque razão a procuradora-geral impediu que o procurador Figueira fosse inquirido.

Podemos sempre dizer que a justiça está a funcionar porque um procurador do Ministério Público foi detido  e ficou em prisão preventiva. Podemos  dizer que os magistrados são humanos e errar é humano. Podemos dizer, e eu digo, que o procurador Orlando Figueira é presumivelmente inocente. Mas se relativamente aos políticos, dada a sua má reputação, ninguém se surpreende quando lhes são apontadas suspeitas de corrupção, um magistrado do Ministério Público, ainda por cima, especializado na investigação da corrupção, ser suspeito de corrupção e detido por perigo de fuga e de perturbação do inquérito, é um escândalo de proporções incalculáveis, capaz de arrastar indelevelmente a credibilidade  da justiça.

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Justiça, Política com as etiquetas . ligação permanente.

12 respostas a O caso do procurador detido é um escândalo de proporções incalculáveis

  1. carlosalvares diz:

    Como se diz aqui e muito bem, errar é humano. Mas, precisamente por isso, é que os representantes do Ministério Público, dada a sua responsabilidade e credibilidade, devem ser escrutinados com frequência. Carlos Patrício Álvares

    No dia 26 de fevereiro de 2016 às 00:32, VAI E VEM escreveu:

    > estrelaserrano@gmail.com posted: ” A detenção do procurador do Ministério > Público Orlando Figueira por suspeitas de corrupção e branqueamento de > capitais é um facto perturbador. Não porque outros agentes da justiça não > tenham já anteriormente sido alvo de processos. Acontece, porém, qu” >

  2. Sofia diz:

    O homem não era especialista; se soubesse alguma coisa de jeito não tinha sido apanhado. Cheira-me que foi pelas bandas do JES que mandaram a carta anonima. Cumprimentos

  3. António Duarte diz:

    O dinheiro é uma tentação. Esta semana vi uma notícia que dizia que um ex-ministro chinês foi condenado à morte por corrupção.
    Assim vejam!!! Os chineses sabem que a pena de morte funciona e mesmo assim, caem na ratoeira.
    Agora num país onde os corruptos sabem que o crime compensa,. Não há volta a dar…É sempre a ensacar………………………….

  4. cristof9 diz:

    A justiça está tão diferente do tempo do Socrates e da Candinha (quando não havia grande corrupção cá)

  5. Bea diz:

    É. Na verdade. Mas o hábito já nos embotou a surpresa e o juízo. Passa a ser apenas mais um caso. A maioria dos portugueses nem sequer se exalta, conta-o por ser actual e estar na crista da onda. Mas não deixa de ser caricato que os portugueses intermediários e subornáveis sejam engavetados enquanto os cérebros estão em recato e omissos.

  6. TC diz:

    E o princípio da presunção da inocência? É só para alguns?

  7. Acabei de ouvir agora Francisco Louçã dizer na Sic Notícias que o caso do procurador português detido por suspeitas de corrupção provavelmente “é mais um caso da Justiça de Angola do que da Justiça Portuguesa” !!!!!
    ESTÁ SENIL. Absolutamente surreal.

  8. manuel azevedo diz:

    na nossa casa mandamos nós!

  9. Há um certo arguido que ainda se vai rir às gargalhadas.

  10. «Há três tipos de estados: os estados marxistas, os estados capitalistas e o estado a que isto chegou» Salgueiro Maia

  11. A.Mané diz:

    É bem real que o MP esteja já contaminado pela máfia tentacular da corrupção que,também pode incriminar inocentes e destruir carreiras e projetos de vida. Afinal os Magistrados são Deuses. Enquanto no activo,são intocáveis, juízes em causa alheia e própria.

  12. F Soares diz:

    … e como estará toda esta “cena” relacionada com as idas a Angola e estranhas declarações do anterior ministro dos negócios estrangeiros, ? Não haverá vasos comunicantes ? Eu não acredito em bruxas, mas….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s