Passos Coelho, um politico obcecado pelo poder

Passos discursa orçamento 2016A atitude de Passos Coelho durante o debate do orçamento de Estado foi, a todos os títulos, confrangedora. Quem acompanhou o debate pela televisão viu um político sempre com ar carrancudo, como se ouvir o primeiro-ministro fosse para ele uma tortura e debater o orçamento algo que não lhe dizia respeito nem ao seu partido. Ouvindo-o depois discursar no encerramento do debate percebeu-se melhor o seu estado de espírito perante o actual momento político do país e a sua noção do que é a democracia.

A frase mais reveladora desse discurso de Passos Coelho, é a seguinte, dirigida a António Costa:

“Julga que acusando, insinuando, denegrindo o seu antecessor, resolve o seu problema de poder ser visto como quem usurpa o que não conseguiu conquistar por direito próprio e de poder afinal ter ficado apenas com uma réplica da verdadeira fonte de autoridade que precisa de destruir e aniquilar para que a falsificação não seja notada”.

No mais íntimo do seu ser, Passos vê-se ainda como primeiro-ministro e também por isso usa na lapela, qual amuleto, a bandeirinha nacional que mandou fazer  quando era primeiro-ministro. Na sua cabeça ainda não entrou o facto de o seu governo ter sido chumbado no Parlamento pela maioria dos deputados democraticamente eleitos. Quando afirma que António Costa lhe “usurpou” o poder e que esse poder não foi conquistado “por direito próprio”, Passos Coelho está a negar ao Parlamento a função que a Constituição lhe atribui de aprovar ou rejeitar o programa do governo. Passos nega, pois, o nosso regime constitucional, ao considerar que a única “fonte de autoridade” do governo emana de eleições. Queria ser primeiro-ministro mesmo depois de o seu programa de governo ter sido rejeitado pelo Parlamento.

O discurso de Passos Coelho é ainda revelador de uma mentalidade mesquinha e antidemocrática quando afirma que o debate político e as diferentes opções do governo de António Costa, e as críticas ao anterior governo, são uma forma de “aniquilar” e “destruir” a (para ele, única e verdadeira) “fonte de autoridade”, isto é, a dele próprio que, nas suas palavras, Costa “falsificou”.

O discurso de Passos Coelho é o de um político obcecado com o poder, que não aceita a realidade. Por isso, não quer discutir o orçamento, nem apresentar propostas de alteração. Não lhe interessa o País nem os portugueses. Interessa-lhe apenas alimentar o rancor contra os “usurpadores” de um poder que ele pensa ser  seu e só seu.

Mas o debate do orçamento trouxe novamente à superfície o preconceito da direita contra os partidos à esquerda do PS. A maneira displicente e arrogante como se referem a estes partidos e às suas propostas são reveladoras de uma mentalidade anti-democrática, como se tudo o que venha deles e seja aceite pelo PS não fosse tão natural como o PSD ter aceite propostas do CDS e vice-versa, quando ambos estavam coligados.

O “drama” artificial criado pela direita, com apoio de alguns jornalistas, quanto às chamadas “cedências” do governo a propostas do BE e do PCP é mais um sinal do muito que ainda falta para que em Portugal tenhamos uma verdadeira democracia.

(artigo publicado hoje no Acção Socialista Digital)

Esta entrada foi publicada em Assembleia da República, Governo, Política com as etiquetas , . ligação permanente.

14 respostas a Passos Coelho, um politico obcecado pelo poder

  1. Obrigada, carlosalvares,🙂

  2. carlosalvares diz:

    NOTA) Só após ter escrito este email, li o excelente (como é habitual) trabalho que fez sobre MLA. Peço que não leve a mal por, mesmo assim, enviar o que sobre o mesmo assunto escrevi., Julgo até que, embora sem o valor dos seus comentários, alguns dos que faço, se encaixem neles.

  3. Jaime Santos diz:

    Discordo de si num ponto. A autoridade do Governo de António Costa naturalmente que emana das eleições. O problema é que a Direita ainda não aceitou o facto de que vivemos num Sistema Parlamentar de Representação Proporcional, em que quem chega primeiro não apanha tudo, e não num Sistema Presidencial ou Parlamentar Maioritário (presidencialismo de Primeiro-Ministro, à Salazar). Passos aliás comportou-se enquanto PM como um Ditador Romano dotado de poderes especiais, capaz de suspender a CRP, como aconteceu. O contraste com o Costa não podia ser mais patente, porque este aceita que o centro do Poder está na AR. Como os Países melhor governados são Países com sistemas de Governo colegiais e suportados mas também verdadeiramente fiscalizados pelo Parlamento, o resultado das eleições de 4 de Outubro e a construção da ‘Geringonça’ representam uma verdadeira evolução para melhor na forma de fazer política em Portugal…

  4. vasco tocha antao diz:

    tantas coisas foram ditas por esta agencia ligada a geringonca nada foi dito na realidade dos dias de hoje…PASSOS COELHO FOI O PRIMEIRO MINISTRO QUE MELHOR GOVERNOU PORTUGAL NOS ULTIMOS ANOS.vamos assim Portugal estava na bancarrota deixado por Jose Socrates .Passos coelho governou o Pais de 2011 a 2015…deixou o Pais com os cofres cheios .com uma retoma a todos os niveis desde a economia ao emprego e em particular a confianca dos portugueses e das empresas tudo isto com a obstrucao de todos os que se dizem trabalhadores OS FUNCIONARIOS PUBLICOS este senhor primeiro ministro usurpou o poder benificia de toda a retoma do Passos Coelho e ainda diz que esta obscado pelo poder Digam antes senhores da agencia da geringonca que apenas foram para o poder para dar emprego a politicos e seus familiares

  5. carlosalvares diz:

    No dia 25 de fevereiro de 2016 às 23:42, Carlos Alvares escreveu:

    > E S P A Ç O DO P A R A S I T A ————— PASSOS COELHO O > INCONFONFORMADO > Carlos Alvares > 23:41 (há 23 horas) > para Raul, António, Evaristo, Estrela, Luis, Manuel, partidosociali., > Partebilhas > O ex-primeiro ministro, tem tido um percurso ascedente na vida, admito, > justificado pelas qualidades que possue. Porém, por vezes, o desejo de > promoção pessoal, leva a atitudes pouco consentaneas com todo o prestígio > já adquirido. Na abstenção recomendada por Passos Coelho ao orçamento de > 2016, apresentado pela coligação que classificaram de “geringonça” > notava-se a sua decepção, a raiva, o desejo de retaliar. > > Em 2008, ganhou a liderança do PSD. Tendo-lhe sido chamada a atenção para > a existência de uma dívida sua às Finanças, justificou-a com o > esquecimento. Por não ficar bem a um dirigente do PSD demorar tantos anos a > resolve-la, liquidou-a. O mesmo comportamento teve com a Segurança Social. > Desta vez a explicação foi que desconhecia a existência da divida. > Tratamento de favor, fez ser aceite tal esclarecimento. > > Em 2011, após recusa do PEC-IV proposto por José Sócrates, já num governo > de transição, por iniciativa de Passos Coelh o, concordância do Senhor > Presidente da República e de Carlos Costa, director do Banco de Portugal, > surfiu a Troika. O que significou passar para o controle de privados, > marcas e empresas emblemáticas como: EDP, REN, CTT, Fidelidade, ANA e TAP, > Empresa Geral de Fomento, BPN, HPP e ainda 1% da Galp e da área de saúde da > Caixa. A gestão das empresas de transportes públicos de Lisboa e Porto, > Oceanário, TAP ,CP Carga. Os subsídios de férias e de Natal dos servidores > públicos e dos pensionistas, em 2012 e 2013, foram eliminados. As promoções > e progressões na carreira, foram suspensas. Impos-se cortes de salários > (entre 5 e 10 por cento), apenas para a função pública. Aumentou-se meia > hora de trabalho diário para o sector privado. Assistiu-se a brutal aumento > da carga fiscal, sobre consumidores e assalariados, ampliando o fosso de > rendimentos entre capital e trabalho e as desigualdades sociais. A dupla > que formava o governo, PSD/CDS, tornou-se campeã na transferência do > controlo do Estado para os privados. Imposição da Troika, argumentaram. > Também, as severas medidas de austeridade, superiores, até, às > recomendações da Troika, levadas a cabo ao longo de 4 anos, foram um > desastre. Apesar desta governação, a 4 de Outubro, Passos Coelho concorreu > e, ajudado pela abstenção, ganhou direito a segundo mandato. Inesperada > aliança entre PS e partidos de esquerda, obrigou a perde-lo. > > Inconformado, considerando ter sido fraudulentamente derrotado por uma > “geringonça” (nome dado pelo seu parceiro de coligação Paulo Portas à > ligação do PS com os partidos de esquerda), resolveu recandidatar-se com a > sua própria “geringonça” PSD/CDS, Não resultou. Os efeitos nefastos dos > seus quatro anos de “reinado”, ainda estão bem presentes. Mas não desiste. > Já anda em campanha a ver se consegue voltar a ser Primeiro Ministro. A > dizer que tem agora condições para fazer o que prometeu e não fez, nos seus > quatro anos de mandato. Certamente > esperançado numa possível falta de memória do eleitorado. > n > Carlos Patrício Álvares (Chaubet) > > No dia 24 de fevereiro de 2016 às 20:44, VAI E VEM comment-reply@wordpress.com> escreveu: > >> estrelaserrano@gmail.com posted: “A atitude de Passos Coelho durante o >> debate do orçamento de Estado foi, a todos os títulos, confrangedora. Quem >> acompanhou o debate pela televisão viu um político sempre com ar >> carrancudo, como se ouvir o primeiro-ministro fosse para ele uma tortura e >> deb” >>

  6. carlosalvares diz:

    E S P A Ç O DO P A R A S I T A ————— PASSOS COELHO O INCONFONFORMADO Carlos Alvares 23:41 (há 23 horas) para Raul, António, Evaristo, Estrela, Luis, Manuel, partidosociali., Partebilhas O ex-primeiro ministro, tem tido um percurso ascedente na vida, admito, justificado pelas qualidades que possue. Porém, por vezes, o desejo de promoção pessoal, leva a atitudes pouco consentaneas com todo o prestígio já adquirido. Na abstenção recomendada por Passos Coelho ao orçamento de 2016, apresentado pela coligação que classificaram de “geringonça” notava-se a sua decepção, a raiva, o desejo de retaliar.

    Em 2008, ganhou a liderança do PSD. Tendo-lhe sido chamada a atenção para a existência de uma dívida sua às Finanças, justificou-a com o esquecimento. Por não ficar bem a um dirigente do PSD demorar tantos anos a resolve-la, liquidou-a. O mesmo comportamento teve com a Segurança Social. Desta vez a explicação foi que desconhecia a existência da divida. Tratamento de favor, fez ser aceite tal esclarecimento.

    Em 2011, após recusa do PEC-IV proposto por José Sócrates, já num governo de transição, por iniciativa de Passos Coelh o, concordância do Senhor Presidente da República e de Carlos Costa, director do Banco de Portugal, surfiu a Troika. O que significou passar para o controle de privados, marcas e empresas emblemáticas como: EDP, REN, CTT, Fidelidade, ANA e TAP, Empresa Geral de Fomento, BPN, HPP e ainda 1% da Galp e da área de saúde da Caixa. A gestão das empresas de transportes públicos de Lisboa e Porto, Oceanário, TAP ,CP Carga. Os subsídios de férias e de Natal dos servidores públicos e dos pensionistas, em 2012 e 2013, foram eliminados. As promoções e progressões na carreira, foram suspensas. Impos-se cortes de salários (entre 5 e 10 por cento), apenas para a função pública. Aumentou-se meia hora de trabalho diário para o sector privado. Assistiu-se a brutal aumento da carga fiscal, sobre consumidores e assalariados, ampliando o fosso de rendimentos entre capital e trabalho e as desigualdades sociais. A dupla que formava o governo, PSD/CDS, tornou-se campeã na transferência do controlo do Estado para os privados. Imposição da Troika, argumentaram. Também, as severas medidas de austeridade, superiores, até, às recomendações da Troika, levadas a cabo ao longo de 4 anos, foram um desastre. Apesar desta governação, a 4 de Outubro, Passos Coelho concorreu e, ajudado pela abstenção, ganhou direito a segundo mandato. Inesperada aliança entre PS e partidos de esquerda, obrigou a perde-lo.

    Inconformado, considerando ter sido fraudulentamente derrotado por uma “geringonça” (nome dado pelo seu parceiro de coligação Paulo Portas à ligação do PS com os partidos de esquerda), resolveu recandidatar-se com a sua própria “geringonça” PSD/CDS, Não resultou. Os efeitos nefastos dos seus quatro anos de “reinado”, ainda estão bem presentes. Mas não desiste. Já anda em campanha a ver se consegue voltar a ser Primeiro Ministro. A dizer que tem agora condições para fazer o que prometeu e não fez, nos seus quatro anos de mandato. Certamente esperançado numa possível falta de memória do eleitorado. n Carlos Patrício Álvares (Chaubet)

    No dia 24 de fevereiro de 2016 às 20:44, VAI E VEM escreveu:

    > estrelaserrano@gmail.com posted: “A atitude de Passos Coelho durante o > debate do orçamento de Estado foi, a todos os títulos, confrangedora. Quem > acompanhou o debate pela televisão viu um político sempre com ar > carrancudo, como se ouvir o primeiro-ministro fosse para ele uma tortura e > deb” >

  7. Carlos Rocha diz:

    Que pena!….Os autores deste artigo e quem está por detrás desta pseuda agencia, não se assumirem e identificarem como pertencentes à máquina de contra informação do governo/PS… Assim permitem-se ser clasificados como destituidos de carater e envergonhados das mentiras que escrevem….Mas como o ato a que se referem foi público e visto por muitos Portugueses que desmentem o que aqui foi escrito não passam de uns pobres aprendizes de feiticeiro que quriam ser os novos catequizadores do Povo…..Áh!….quando partilharem noticias no “facebook” não cortem a possibilidade de lá se fazerem comentário…

  8. Avelino Ferreira Familiar diz:

    Poucas palavras para qualificar passos coelho. Homem sem carácter, antipatriota,mesquinho e sem sensibilidade social.

  9. Pedro Passos Coelho, pertence àquela classe de gente que: « Se um dia abandonam a ilusão, e deixam de fingir que ainda lá estão, voltam ao nada que são »………

  10. mariamadalena639@gmail.com diz:

    É tempo de fazer o k aconselhou aos jovens deste país – IMIGRE

  11. Cândido Arouca diz:

    O Salazar tb pensava que ainda governava mesmo depois de ter sido substituído no poder!

  12. J. Madeira diz:

    Passos Coelho leu mais um discurso escrito pelo seu “copy-writer” M. Morgado!
    O tal que, segundo Mário Centeno, anda perdido num labirinto e, esse é o estilo
    usado em redor da “usurpação”! O p. ministro no exílio pos-se a jeito para o que
    ouviu do António Costa foi redundante o que disse em Bruxelas pois, de seguida
    o lider da bancada do PPE no Parlamento Europeu desferiu um ataque ao Go-
    verno de Portugal por este ter o apoio do PCP e do BE .. nem é preciso citar o
    pézinhos de garrafão o dr prof Klaustrofobo Rangel que foi mandado calar pelo
    Presidente da Comissão pelas cobras e lagartos que dizia do Governo do seu
    País!

  13. llopes49 diz:

    Estamos na Quaresma,tudo lhe pode (ou não ) ser perdoado.

  14. António Campos diz:

    Passos Coelho não mente: “ele é a mentira!”, e acredita que está a dizer a verdade que é só dele.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s